V SEMINÁRIO LUSO-BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL / II CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE INFÂNCIAS E EDUCAÇÃO

V SEMINÁRIO LUSO-BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL / II CONGRESSO LUSO-AFRO-BRASILEIRO DE INFÂNCIAS E EDUCAÇÃO

Infâncias, cidade e democracia

Faça sua inscrição
De 10 a 13 de dezembro Todos os dias das 08h às 19h
São Paulo, SP Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo

Sobre o Evento

O SLBEI - Seminário Luso-Brasileiro de Educação Infantil nasceu de uma parceria da Universidade Federal de Alagoas (UFAL, Maceió/Brasil), representada pelo GEPPECI (Grupo de Estudos e Pesquisas em Pedagogias e Culturas Infantis) com a Universidade do Minho (UMinho. Braga/Portugal), representada pelo CIEC (Centro de Investigação em Estudos da Criança). Sua primeira edição ocorreu em 2015 em Maceió, no Brasil, a segunda edição em 2016 em Braga, Portugal, a terceira edição em 2017 em Maceió, no Brasil e a quarta edição em Aveiro, Portugal. Desde sua primeira edição, o SLBEI pretende ser um fórum científico e pedagógico - anual, com edições alternadas entre Brasil e Portugal – de discussão em torno da Educação de Infância/Educação Infantil. Em 2018, desabrocha como efeito das reflexões e parcerias que a UFAL e a UMinho (Portugal) tem realizado com outros grupos e instituições, o CLABIE – Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Infâncias e Educação. O processo de construção do V SLBEI - Seminário Luso-Brasileiro de Educação Infantil e do II CLABIE – Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Infâncias e Educação, que ocorrerão no Brasil entre os dias 10 e 13 de dezembro de 2019, na cidade de São Paulo, junto à Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, tem por objetivo consolidar e afirmar alguns dos seus traços principais:

  • O SLBEI e o CLABIE pretendem contribuir com o fortalecimento da interlocução entre os mundos acadêmico e profissional e da vertente da interação com a sociedade;
  • O SLBEI e o CLABIE pretendem ser espaços plurais, abertos e democráticos de discussão em torno da Educação de Infância/Educação Infantil e da democracia no Brasil configurando-se como espaços de questionamento e de superação de um conhecimento totalitário que a ciência moderna inspirou e que ainda hoje caracteriza, em grande parte, a produção acadêmica.

Palestrantes

  • Adriana Alves da Silva
  • Agnaldo Arroio
  • Alex Barreiro
  • Alexandre Barbosa Pereira
  • Ana Beatriz Goulart de Faria
  • Ana Lúcia Goulart de Faria
  • Andréa Avelar Duarte
  • Andréa Barbosa
  • Anete Abramowicz
  • Artur Oriel Pereira
  • Bianca Correa
  • Célia Regina Batista Serrão
  • César Donizetti Pereira Leite
  • Claudio Roberto da Silva
  • Cleriston Izidro dos Anjos
  • Edna Araújo Rodrigues Rossetto
  • Eduardo Pereira Batista
  • Elina Elias de Macedo
  • Elisabete Xavier Gomes
  • Fabiana Oliveira Canavieira
  • Fábio Hoffmann Pereira
  • Fernando Ilídio Ferreira
  • Flávio Santiago
  • Francisca de Jesus Ferreira
  • Helena Silvestre
  • Joana Zatz Mussi
  • Lisete Regina Gomes Arelaro
  • Luciana Esmeralda Ostetto
  • Marcia Aparecida Gobbi
  • Márcia Lúcia Anacleto de Souza
  • Marcos Garcia Neira
  • Maria de Lurdes Dias de Carvalho
  • Maria Letícia Nascimento
  • Michele Marques Pereira
  • Midria da Silva Pereira
  • Mônica Appezzato Pinazza
  • Mônica Caldas Ehrenberg
  • Monique Roecker Lazarin
  • Nanci Helena Rebouças Franco
  • Pedro Cardoso da Silva
  • Peterson Rigato da Silva
  • Rosa Silvia Lopes Chaves
  • Stella Paterniani
  • Teresa Sarmento

Programação

14h00 MESA DE ABERTURA: Infâncias, cidade e democracia Conferência
Local: FAU-USP - Auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

MESA DE ABERTURA: Infâncias, cidade e democracia

Marcos Garcia Neira (Universidade de São Paulo)

Stella Paterniani (Universidade de Brasília)

Ana Beatriz Goulart de Faria (Instituto dos Arquitetos do Brasil/SP)

14h00 MESA DE ENCERRAMENTO: Infâncias, cidade e democracia Conferência
Local: FAU-USP - Auditório da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Lisete Arelaro (Universidade de São Paulo)

Elisabeth Xavier (Universidade Nova de Lisboa)

Marcos Cezar de Freitas (Universidade Federal de São Paulo)

09h00 MESA REDONDA 2: Arte, infâncias e democracia Mesa-redonda
Local: Auditório do IEA-USP

Cesar Leite (Universidade Estadual Paulista – Rio Claro)

Luciana Ostetto (Universidade Federal Fluminense)

Monica Caldas (Universidade de São Paulo)

09h00 MESA REDONDA 3: Formação docente para as infâncias Mesa-redonda
Local: Local a definir

MESA 03 (FFLCH): Formação docente para as infâncias

Teresa Sarmento (Universidade do Minho)

Monica Pinazza (Universidade de São Paulo)

Pedro Cardoso da Silva (Universidade Katyavala Bwila - Angola)

09h00 MESA REDONDA 4: Arte urbana como expressão de luta e resistência Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 04 (CEPE): Arte urbana como expressão de luta e resistência

Alexandre Barbosa (Universidade Federal de São Paulo)

Andrea Barbosa (Universidade Federal de São Paulo)

Joana Mussi (Coletivo Contrafilé)

14h00 MESA REDONDA 5: Infâncias, movimentos sociais e cidade Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 05 (FFLCH): Infâncias, movimentos sociais e cidade (14:00 - 17:00)

Edna Rossetto (Movimento dos Sem-Terra)

Helena Silvestre (Movimento Luta Popular e Revista Amazonas)

Jerá Guarani (Tekoa Kalipety)

Marcia Anacleto (Prefeitura Municipal de Campinas)

Ivanete Araújo (MMLJ)

14h00 MESA REDONDA 6: Os bebês e a cidade Mesa-redonda
Local: Local a definir

MESA 06 (CEPE): Os bebês e a cidade (14:00 - 16:00)

Marcella Araujo (Universidade de São Paulo)

Lurdes Carvalho (Universidade do Minho)

Marina Rebeca de Oliveira Saraiva (Universidade Federal de Alagoas)

Renata Dias (CEI Onadyr Marcondes)

Juliana Diamente (Universidade Federal de São Paulo)

14h00 MESA REDONDA 7: Educação e movimentos sociais Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 07 (IEA): Educação e movimentos sociais (14:00 - 16:00)

Monique Lazarin (Casa de Acolhida para Migrantes e Refugiados Dom Luciano Mendes de Almeida)

Rosana (ENFF)

Cleriston Izidro dos Anjos (Universidade Federal de Alagoas)

16h30 MESA REDONDA 8: Infâncias, participação e democracia Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 08 (CEPE): Infâncias, participação e democracia (16:30 - 18:30)

Maria Leticia Nascimento (Universidade de São Paulo)

Fabiana Canavieira (Universidade Federal do Maranhão)

Eduardo Pereira Batista (Prefeitura Municipal de Vinhedo)

16h30 MESA REDONDA 9: Políticas públicas para as infâncias Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 09 (IEA): Políticas públicas para as infâncias

Celia Serrão (Universidade Federal de São Paulo

Bianca Correa (Universidade de São Paulo)

Fernando Ilídio Ferreira  (Universidade do Minho)

09h00 MESA REDONDA 10: As crianças na cidade em disputa Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 10 (IEA): As crianças na cidade em disputa

Catharina Lima (Universidade de São Paulo)

Lizete Rubano (Universidade Mackenzie)

Ermelinda Pataca (Universidade de São Paulo)

Karina Leitão  (Universidade de São Paulo)

09h00 MESA REDONDA 11: Infâncias, gênero e raça Mesa-redonda
Local: Espaço a definir

MESA 11 (CEPE): Infâncias, gênero e raça

Anete Abramowich (Universidade de São Paulo)

Fabio Hoffmann Pereira (Universidade de São Paulo)

Alex Barreiro (Universidade Estadual de Campinas)

Nanci Helena Rebouças Franco (Universidade Federal da Bahia)

Flávio Santiago (GEPEDISC/UNICAMP)

13h00 Saída programada 01: Instituto Moreira Salles Passeio
Local: Saída em grupo da FEUSP

Inaugurado em 20 de setembro de 2017, o IMS Paulista abriga toda a programação organizada pelo instituto na cidade. Em 2017, o projeto do escritório Andrade Morettin Arquitetos conquistou o prêmio de melhor obra de arquitetura em São Paulo, concedido pela APCA na categoria Arquitetura e Urbanismo.

São nove andares, todos com pé-direito duplo, em um prédio realizado a partir de conceitos sustentáveis. Para o arquiteto Marcelo Henneberg Morettin, um dos maiores desafios foi resolver um museu vertical. Uma das soluções encontradas foi transpor para o quinto pavimento o ambiente de entrada e convívio, a Praça IMS, acessível diretamente a partir do vão livre do térreo por escadas rolantes.

Além das áreas para exposições, com mais de 1200 metros quadrados, o IMS Paulista conta também com um cineteatro – onde acontecem mostras de filmes, eventos musicais, seminários e debates –, uma Biblioteca de Fotografia, salas de aula, a loja-livraria IMS por Travessa e o café-restaurante Balaio.

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante. 

13h00 Saída programada 05- Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA) Passeio
Local: Saída da FEUSP

Com uma trajetória diretamente ligada ao fomento à iniciação artística pública e de qualidade, a Escola Municipal de Iniciação Artística (EMIA) existe desde 1980, possibilitando vivências e aprendizagens pautadas no fazer artístico, na criatividade e na expressividade para crianças dos 5 aos 12 anos.
A escola aposta na formação artística através do encontro entre artistas e crianças, por meio da troca de saberes, da experimentação e da aquisição de novos repertórios, integrando as linguagens na construção do conhecimento em arte. Atualmente, as áreas de Artes Visuais, Dança, Música e Teatro compõem o universo da escola.
Endereço: Parque Lina e Paulo Raia - R. Volkswagen, S/N - Jabaquara, São Paulo

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante. 

13h00 Saída programada 06- CEU HELIÓPOLIS Profª Arlete Persoli Passeio
Local: Saída da FEUSP

Inaugurado no ano de 2015, com a incorporação das novas construções projetadas pelo arquiteto e amigo de Heliópolis Ruy Ohtake, o Centro de Convivência Educativa e Cultural de Heliópolis passou a ser CEU - Centro Educacional Unificado, um dos mais importantes e inovadores programas municipais de educação, cultura e esporte da cidade de São Paulo. Além da incrível história de luta e conquista do povo para esse espaço se concretizar em um espaço voltado a educação, com lazer e infraestrutura adequada a população, o CEU Heliópolis Profª Arlete Persoli, tem como politica, a participação efetiva da comunidade em sua gestão. Como polo de cultura e educação, o CEU tornou-se importante referência na discussão sobre a educação integral,  associando suas práticas ao objetivo de transformar Heliópolis num bairro educador.  (texto retirado do site da UNAS)

Endereço: Estrada das Lágrimas, 2385 - São João Climaco, São Paulo

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante. 

 

13h00 Saída Programada 02- Instituto de Estudos Brasileiros – IEB (USP) Passeio
Local: Saída em grupo da FEUSP

Instituto de Estudos Brasileiros – IEB (USP)

Endereço: Av. Prof. Luciano Gualberto, 78, Cidade Universitária - São Paulo 

Criado por Sérgio Buarque de Holanda, em 1962, o Instituto de Estudos Brasileiros é um centro multidisciplinar de pesquisas e documentação sobre a história e as culturas do Brasil. Tem como desafio fundador a reflexão sobre a sociedade brasileira, envolvendo a articulação de diferentes áreas das humanidades. Contemplado em 1995 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) com o prêmio Rodrigo de Melo Franco de Andrade na categoria Preservação de Acervos Culturais Móveis e Imóveis, o IEB tem sob sua responsabilidade a guarda e a manutenção de um acervo excepcional.

O IEB, acervo e pesquisa são indissociáveis. As pesquisas são desenvolvidas nas áreas temáticas de Artes, Literatura, Música, História, História Econômica, Geografia, Economia, Antropologia e Sociologia.

13h00 Saída Programada 03- Centro de Preservação Cultural (Casa da Dona Yayá) Passeio
Local: Saída em grupo da FEUSP

03. Centro de Preservação Cultural (Casa da Dona Yayá)

Endereço: Rua Major Diogo, 353, Bela Vista - São Paulo

A Casa de Dona Yayá, sede do Centro de Preservação Cultural da USP desde 2004, é um bem cultural e lugar de memória localizado na região popularmente conhecida como “Bixiga”, no bairro da Bela Vista, Centro de São Paulo.

O edifício constitui um documento histórico da transformação da cidade de São Paulo e é um dos últimos remanescentes do antigo cinturão de chácaras que circundava a região central da cidade. 

Sob a responsabilidade da USP a partir de 1969, a Casa de Dona Yayá foi reconhecida como um patrimônio cultural pela antiga Comissão do Patrimônio Cultural, tendo sido objeto de estudos documentais e prospectivos que recuperaram vestígios de construções do final do século 19 submersos por reformas e ampliações posteriores. Paredes de tijolos, pinturas murais e o próprio jardim permitem recuperar três momentos distintos dessa residência: o chalé de uma chácara rural, uma casa eclética em área já urbanizada e por último o sanatório.

Devido ao seu valor como bem cultural e lugar de memória, a Casa de Dona Yayá é tombada patrimônio histórico pelo Estado de São Paulo, desde 1998, e pelo Município, desde 2002.

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante.

13h00 Saída Programada 04- Instituto Tomie Ohtake  Passeio
Local: Saída em grupo da FEUSP

Instituto Tomie Ohtake 

Endereço: Av. Brigadeiro Faria Lima, 201, Rua Coropé, 88, Pinheiros – São Paulo

O que a escola pode aprender com a cidade e o que a cidade pode aprender com a escola?

O encontro visa explorar as diversas relações pedagógicas construídas a partir da colaboração entre instituições culturais e escola, fomentando a discussão acerca dos conceitos de educação integral e território educativo. Serão apresentados, como estímulo ao debate, vídeos de projetos selecionados pelo Prêmio Territórios, iniciativa do Instituto Tomie Ohtake em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo. Também serão realizados exercícios de observação a partir da exploração de algumas técnicas artísticas, como meio de imaginação de ações pedagógicas coletivas dentro e fora da escola. Ao final, os participantes serão convidados a visitar as exposições em cartaz no Instituto Tomie Ohtake.

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante.

13h00 Saída Programada 07- Ocupação Ipiranga Passeio
Local: Saída em grupo da FEUSP

Ocupação Ipiranga

Endereço: Av. Ipiranga, 908 - República, São Paulo

 

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante.

 

 

13h00 Saída Programada 08- EMEI Gabriel Prestes Passeio
Local: Saída em grupo da FEUSP

EMEI Gabriel Prestes

Rua da Consolação, 1012, Consolação- São Paulo.

Localizada em uma das principais vias urbanas da cidade de São Paulo, a Escola Municipal de Educação Infantil Gabriel Prestes atende 205 crianças de idade entre 4 e 5 anos e tem um reconhecido projeto pedagógico construído em conexão com outros equipamentos do território, com vistas a ampliar as possibilidades educativas das crianças, tais como Biblioteca Mario de Andrade, Biblioteca Infanto Juvenil Monteiro Lobato, Praça Roosevelt, Cemitério da Consolação. O Projeto Conhecendo e Sendo em São Paulo, desenvolvido na escola, levou esse ano o Prêmio Territórios, parceria entre a Prefeitura Municipal de São Paulo e o Instituto Tomie Ohtake. 

A EMEI está localizada no terreno conhecido como Chácara Lane, que pertencia ao missionário presbiteriano norte-americano George Chamberlain, junto ao casarão tombado pelo patrimônio histórico municipal em 2004, mas teve o terreno colocado à venda com a aprovação do Projeto de Lei 611/2018, sancionado pelo prefeito Bruno Covas em 19 de outubro, fato que tem mobilizado toda a comunidade escolar. 

Obs.: O custo e o meio de deslocamento é de responsabilidade de cada participante.

08h30 Minicurso 09- Espaços Públicos Urbanos e Educação Infantil: experiências no centro de São Paulo com crianças às ruas em cotidianos possíveis Minicurso
Local: a definir

Lilith Neiman   Feusp, Prefeitura Municipal de São Paulo
Livia Arruda Prefeitura Municipal de São Paulo

O curso apresenta uma síntese teórica sobre a vida cotidiana e a produção dos espaços urbanos a partir de autores como Henri Lefebvre e Michel de Certeau.  Buscando fazer presentes as crianças nas reflexões sobre os processos e práticas espaciais urbanas, apresentamos nossas experiências nas ruas com crianças de uma Escola Municipal de Educação Infantil do centro da cidade de São Paulo. Nosso objetivo é iniciar conversas e ações para uma reinvenção criativa do cotidiano nas escolas de Educação Infantil que considere a presença das crianças na cidade como horizonte possível e desejável. 

08h30 Minicurso 10- Um olhar sobre a cidade, a arquitetura e as crianças: quem aprende com quem? Minicurso
Local: a definir

Paula Martins Vicente  LABPARC - FAUUSP

 

A partir de uma reflexão sobre a construção do olhar e da percepção, o minicurso “Um olhar sobre a cidade, a arquitetura e as crianças: quem aprende com quem?” irá fazer uma discussão das cidades, da arquitetura/ urbanismo e dos sujeitos que as constituem, focando, sobretudo, no papel da criança e como elas são vistas nos contextos urbanos. Referências como o pedagogo Francesco Tonucci e a arquiteta Mayumi Watanabe Lima servirão de base para reflexões sobre outras formas possíveis de construção dos espaços urbanos.

09h30 Minicurso 01- Pedagogias macunaímica e descolonizadoras Minicurso
Local: a definir

Inspirado na obra prima da literatura brasileira "Macunaíma" do poeta Mário de Andrade, com seu protagonista sem nenhum caráter, mas que na verdade constitui-se com todos eles: o negro, o branco e o indígena, o objetivo deste mini-curso é problematizar pedagogias praticadas no dia-a-dia no chão da creche e da pré-escola; na interlocução da arte com as ciências sociais e na tensão entre marxismos e pensamentos pos coloniais com foco na pedagogia como ciência da prática e construir neste processo, coletivamente, pedagogias descolonizadoras. O minicurso ousará com o coletivo dos/as participantes revisitar o Manifesto Antropofágico e tendo-o como princípio metodológico ir devorando as pedagogias críticas europeias, lê-se: no caso as italianas que nos inspiram com suas históricas transgressões e articulações estéticas, éticas e políticas. Nesta perspectiva criativa ir nos alimentando das críticas ao mundo capitalista, patriarcal, violento, homofóbico, individualista, conservador, racista, machista, elitista, adultocêntrico...e neste movimento propor pedagogias macunaímicas, para criar à brasileira, o nosso repertório de pedagogias de combate a cultura da violência com as mulheres, as meninas, as crianças e jovens negras, brancas e indígena que vivenciam vidas ameaçadas e participar enfaticamente do movimento transnacional do dia 25 de novembro que é o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher.

      Ana Lúcia Goulart de Faria    UNICAMP
      Adriana Alves da Silva    UDESC

09h30 Oficina 01- Sussurar, contar, ler e crescer nos espaços da cidade Oficina
Local: a definir


Andréa Avelar Duarte    Instituto das Comunidades Educativas – ICE

- A Criança e os Livros (ppt)
- Roda de Livros
- Leituras em voz alta
- “Da boca à orelha”
- Construção de sussurradores
- Poesia sussurrada
 

09h30 Minicurso 04- Fotografia na Educação Infantil: Práticas Educomunicativas Minicurso
Local: a definir

A proposta do minicurso sobre Fotografia na Educação Infantil na Prática Educomunicativa, é conversar e trocar sobre as potencialidades da fotografia na educação infantil como meio de comunicação, expressão, protagonismo, registro, memória, documentação e exercício de observação e reflexão das práticas pedagógicas e educomunicativas na educação infantil. O mini curso será composto por dois momentos, sendo o primeiro relativo a um panorama sobre o trabalho com fotografia na educação infantil e as relações com conceitos de Educomunicação – Comunicação/Educação – e Documentação Pedagógica. No segundo momento, faremos um exercício prático de reflexão sobre Documentação Pedagógica com Fotografia na Educação Infantil.

Michele Marques Pereira    ECA-USP      

09h30 Minicurso 03- Pesquisas com crianças pequenas e o pensamento pós-colonial e interseccional Minicurso
Local: a definir

Com base nos aportes da teoria e crítica pós-colonial e da perspectiva feminista negra e interseccional que possibilitam a (re)formulação do pensamento moderno, em oposição a toda e qualquer forma de discriminação que concebe a criança como sujeito passivo diante da cultura. O minicurso propõe o desafio de pensar os marcadores sociais de gênero e raça articulados com a relação de proximidade e distanciamento entre pesquisador(a) e sujeito de pesquisa, e com tal reflexividade oferecer aspectos que possam servir como referência para as investigações sobre as infâncias. Assim como, discutir com o coletivo das(os) participantes caminhos abertos na criação de estratégias para as pesquisas com crianças, de modo a romper com a visão adultocêntrica, racista e sexista quando o assunto é reconhecer e conceber as crianças pequenas como companheiras(os) de pesquisa no contexto da educação infantil.

Artur Oriel Pereira    UNICAMP
 

09h30 Minicurso 02 - Literatura da Inversão à Literatura LGBT2QIA+ Minicurso
Local: a definir


Claudio Roberto da Silva
SCT/CSMB/SMC-SP

 

Este minicurso se propõe a recuperar, por meio de uma exposição sobre livros e literatura, a produção temática referente ao segmento LGBT2QIA+. Na cidade de São Paulo, conforme definido pela lei municipal 16.333/2015, a promoção e o fomento dos livros, da leitura e da literatura sob essa temática oficialmente devem ser visibilizados. Porém, oficiosamente esse assunto já estava presente na literatura em períodos que antecedem a referida lei e até mesmo a explosão identitária dos anos de 1990. Nesse sentido, a contextualização histórica sobre o tratamento dessa temática na literatura - ao evitar a aplicação anacrônica de termos  às experiências elaboradas literariamente nos séculos XIX e XX -, proporciona aos seus leitores o contato com narrativas que, uma vez considerado o contexto cultural de sua produção, tratam de assuntos que vem ao encontro de problemas vivenciados pelo segmento LGBT2QIA+ contemporâneo, como: o do poder de gênero e seu impacto nas relações humanas; ou o da importância do não apagamento da pluralidade das experiências humanas preservadas pela literatura; ou ainda o reconhecimento de que a diversidade identitária, como animadora da representação das experiências humanas no teatro da linguagem, não é uma novidade narrativa que surgiu no século XXI.

09h30 Minicurso 05- Fotografias na escola e a construção de memórias sobre infância Minicurso
Local: a definir

Maria Stello Leite  Feusp
Margarida de Sousa Barbosa  Feusp

 

O minicurso tem como objetivo problematizar as fotografias dentro do espaço escolar, bem como questionar de que forma são construídas memórias sobre infância. Considerando que a fotografia hoje é um recurso disponível em nossas mãos, o registro de práticas do cotidiano escolar por imagens torna-se uma opção recorrente. Nesse sentido, colocamos a questão sobre quais concepções e representações de crianças e infâncias nossas fotografias permitem observar. A propostas é pensar os registros e os usos que fazemos deles como um meio de reflexão sobre as crianças, os espaços escolares e nossas práticas.

08h30 Minicurso 06- Educação Infantil e diferença Minicurso
Local: a definir

Este minicurso problematiza e debate as intersecções e hierarquizações das diferenças de classe social, do pertencimento étnico-racial, de gênero e idade. Aborda a temática em sua relação com a pedagogia da infância e a construção de uma educação, desde o nascimento, com princípios democráticos.

Elina Elias de Macedo    UFSCar

08h30 Minicurso 07- As fissuras da educação infantil – profissionais homens nos cuidados e educação na pequena infância Minicurso
Local: a definir

Peterson Rigato da Silva
Prefeitura de Piracicaba/FPEI/UNESP/UNIMEP

Com base nos estudos feministas e das masculinidades e dialogando com a discussão de gênero, sexualidade e pequena infância, será problematizada as relações que são constituídas nos espaços e tempos da educação infantil quando se têm profissionais homens nos cuidados e educação de bebês e crianças pequenas, principalmente ao tratar do cuidado com os corpos dos meninos pequenos e das meninas pequenas, pois existe uma compreensão na sociedade contemporânea em que os espaços se constituem no processo de hierarquização e subordinação de gênero, este mecanismo é naturalizado quando se têm os homens na educação com as crianças pequenas. Existe ainda, o medo da violência física contra crianças, levantando-se dúvidas sobre a integridade e intenções por trás dessa relação, como se, necessariamente, houvesse um potencial “abusador” disfarçado no pretexto da docência. Nesse contexto institucional, este minicurso se coloca na esteira do desafio de construir formas de pensar e olhar para as infâncias, as docências e as crianças, na perspectiva de construção de uma pedagogia da educação infantil não-sexista, emancipatória, inventiva e da produção das culturas infantis.

08h30 Oficina 04- Slam – Batalhas de poesia falada na construção de novos imaginários Oficina
Local: a definir

Midria da Silva Pereira   USP

Slams (ou Poetry Slams) são batalhas de poesia criadas na década de 80 em Chicago por Marc Kelly Smith e que chegam ao Brasil em 2008 pelas mãos de Roberta Estrela D’Alva e o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos. Nos últimos onze anos o movimento ganhou crescimento exponencial, chegando a 200 comunidades de slams espalhadas por diversos estados do país. As poesias costumam tratar de temas relativos às opressões de populações historicamente marginalizadas e silenciadas como mulheres, negras e negros, LGBTQIA+, pessoas com deficiência, entre outros. Grupos que têm encontrado, desde o Slam Interescolar até o circuito tradicional que interliga o país no Campeonato Brasileiro de Poesia Falada, maneiras de ressignificar suas existências e criar novas narrativas de vida.

17h00 LANÇAMENTO DE LIVROS Lançamento de Livro
Local: Local a definir

Lançamento de Livros

18h00 Reunião de Pesquisadores Roda de Conversa
Local: Sala a definir

A Reunião de Pesquisadores também é aberta ao público geral de participantes do V Seminário Luso-Brasileiro de Educação Infantil e do II Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Infâncias e Educação.

20h00 CONFRATERNIZAÇÃO: Jantar no Al Janiah Coquetel
Local: Al Janiah

Jantar de confraternização por adesão. Informações em breve.

O Al Janiah é um espaço político e cultural, com um bar e restaurante de culinária árabe no bairro do Bixiga; onde arte, cultura, política, música e cinema se expressam criticamente por meio de eventos, cursos de filosofia, de idiomas, dança, teatro, lançamentos de livros, exibições de arte itinerantes, de filmes, shows etc. Tudo isso envolto pelos deliciosos sabores e aromas das bebidas e das comidas da casa, pelas samambaias que povoam o espaço, pelas figuras políticas históricas e pelos registros de resistência, nas paredes e nos muros da casa.

Rua Rui Barbosa, 269. Bixiga.

https://www.aljaniah.com.br/

Local

Faculdade de Educação - Universidade de São Paulo - 05508-040, Avenida da Universidade, 308, Butantã, São Paulo, São Paulo,

Realização

Organizador

V SLBEI/ II CLABIE