Rascunhos do Contemporâneo

Rascunhos do Contemporâneo

Faça sua inscrição
De 1 a 3 de outubro Todos os dias das 08h às 18h
Curitiba, PR Universidade Federal do Paraná

Sobre o Evento

PROGRAMAÇÃO


Programação das comunicações aqui.
Caderno de resumos aqui.

Como estudar a criação quando se cria cada vez menos em suportes materiais? Não há geneticista que não tenha enfrentado essa questão. Neste congresso, queremos respondê-la em conjunto, além de discutir muitas outras questões da contemporaneidade que desafiam os pesquisadores da criação, como: qual a relevância de estudar manuscritos hoje? Como preservar os documentos materiais em formatos digitais? Como organizar os documentos em sites ou formatos hipertextuais? Como estudar aquilo que é deletado? Como lidar com as novas formas de correspondência e criação em conjunto (redes sociais)? Como criar a partir de meios digitais? E como estudar esses meios? O que entendemos hoje por manuscrito? documento? processo? a criação mesma não se torna cada vez menos bastidor e mais a própria cena? Mas também queremos neste congresso confrontar a criação a temas contemporâneos, como as questões identitárias e de gênero, plurilinguismo, intolerância, inclusão, radicalização política e migrações. É preciso, como diria Mário de Andrade, ter a “coragem do contemporâneo”, olhando para esses novos suportes ou novas produções, mas também observar o histórico com o olhar do presente, recortando e apontando para aquilo que produz sentido ou ruído nesse presente.... As questões identitárias, de gênero, sócio-políticas, entre outras comumente abraçadas pelos estudos culturais, podem reconfigurar também o aparato teórico da crítica genética. Nesses “rascunhos do contemporâneo”, não se trata de abordar apenas a produção artística mais atual, mas antes de integrar modos contemporâneos de pensar ao estudo da criação.


Nosso evento tem parceria com a DePassaporte: passagens e estadias com desconto aqui.

Palestrantes

  • Véronique Montémont
  • Soledad Falabella
  • Roberto Alencar
  • Elvia Bezerra
  • Cecília Almeida Salles
  • Tânia Rodrigues
  • Philippe Willemart
  • Marcos Antonio de Moraes

Programação

10h30 Programação das comunicações Apresentação Oral
Local: -

Programação das comunicações

Dia 01 de outubro

10h30-12h

Tradução e edição

  1. Adriano Mafra (NUPROC-IFC). Do rascunho à edição: análise preliminar das versões de “The Sicilian Tale: King Robert of Sicily” por D. Pedro II.
  2. Deborah Quintal Vieira (USP). Variantes de transmissão editoriais e de autor em um testemunho de “Viagem ao céu”, de Monteiro Lobato.
  3. Olivia Nogueira de Almeida (USP). Os desafios da edição genética dos originais de Nelson de Senna: como distinguir as diferentes camadas de texto?

 

Espaço de criação, arquivo e corpo

  1. Ariane Alfonso Azambuja de Oliveira Salgado (PUC-SP). A Escola como Espaço de Criação para Artistas: análise de processos criativos da Residência Artística Barda del Desierto.
  2. Maria Regina Gorzillo (PUC-SP). Performance e registro de processo de criação.
  3. Paula Martinelli (PUC-SP). Eu sou o arquivo – Uma perspectiva epistemológica.

Processos de criação na música e no teatro

  1. Carlos Eduardo da Silva, Digmar Jiménez Agreda (UFSC). O geneticista como curador digital, na ópera "La Libreta de Califórnia”.
  2. Carlos Eduardo da Silva (UFSC). Cartas para Otello: o processo criativo da ópera, de Verdi e Boito, visto como relação de poder por meio das cartas trocadas entre os compositores.
  3. João Francisco de Almeida Júnior (UFPR). A umbanda bem tocada – uma análise de crítica genética sobre os pontos de umbanda.
  4. Walter Lima Torres Neto (UFPR). Programas de teatro: o discurso sobre a gênese.

 

Dia 01 de outubro

13h30-15h

Processos de criação da tradução

  1. Josué Santana Oliveira (UNESP – Assis). A obra traduzida de João Antonio: correspondências entre tradutores e recepção estrangeira.    
  2. Ana Silvia Romagnani Bortolini, Vitor Verzeletti Nunes (UFPR). Desmistificando o processo tradutório: um olhar sobre as correspondências entre Guimarães Rosa e Curt Meyer-Clason.
  3. Ana María Barrera Conrad Sackl (FURB). Traduções dos clássicos hispânicos, manuscritos de Dom Pedro II.
  4. Luíza Salgado Mazzola (UFSC). A relação literária, tradutória e cultural de D. Pedro II e Stéphen Liégeard revelada pelos manuscritos do Imperador do Brasil.           

 

Projetos poéticos I

  1. Juan Pablo Cuartas (UNLP-UP). El “problema Bellatin”: materiales diversos y un archivo en fuga.  
  2. Valdir Olivo Júnior (UNICENTRO). Criação e violência em Edgardo Cozarinsky.
  3. Marco Antonio Rocha (UFPR). Tahar Bekri e o seu projeto literário de construção de um Magrebe.

 

Projetos poéticos II

  1. Aline Novais de Almeida (USP). O processo de criação metamórfico de Murilo Mendes.    
  2. Bruna Araujo Cunha (UNICAMP). Mário de Andrade: o arquivista empenhado.
  3. Clarissa Loyola Comin (UFPR). Desmolduramento e intermidialidade na obra de Veronica Stigger.

 

Processos de criação literária: do caderno à publicação I

  1. Betysa Starling (USP). A moça em flor leva Balbec a Paris: a individualização de Albertine no Caderno 46 de Proust.        
  2. Thiago Leão Antunes (USP). Proust e o signos, de Gilles Deleuze: entre a reescritura e a expansão do texto.     
  3. Sandra Mara Stroparo (UFPR). Os últimos versos de Jules Laforgue.   
  4. Amayi Luiza Soares Koyano (USP). A tipografia como voz, a voz como gênese: estudo de caso de "Mobile", de Michel Butor.

 

 

 

 

 

10h30 Programação das comunicações Apresentação Oral
Local: -

Programação das comunicações

Dia 02 de outubro

10h30-12h

Processos editoriais: edições genéticas e críticas

  1. Florencia Brizuela, Lea E. Hafter (IDIHCS – UNLP – CONICET/CIC). La edición de manuscritos de Manuel Puig, acaso una traición.   
  2. Rodrigo Alexandre de Carvalho Xavier (UFRJ). O Fausto de Fernando Pessoa: Edição-Fragmentos e Edições-Livro em diálogo.           
  3. Luciana Di Milta (UNMDP). Poner las cartas sobre la mesa: Darío Canton, autor y editor.
  4. João Vitor Furtado Aguiar, Sergio Romanelli (UFSC). Gênese de uma edição genética: o Hitopadesha de Dom Pedro II?

 

Imagem, corpo e design

  1. Samir Magoya de Medeiros Santos, Juliana de Oliveira Teixeira, Marcília Luzia Gomes da Costa Mendes (UERN). Entre as redes de criação: uma análise sobre os processos criativos no design gráfico aplicado a publicidade e propaganda.
  2. Marcelo José Oliveira de Farias (PUC-SP). Conexões e interações do processo de criação no ensino de Design do produto: modos de desenvolvimento do pensamento.
  3. Luciano Koji Abe (PUC-SP). O processo de criação na reportagem “Fofão da Augusta? Quem me chama assim não me conhece”, de Chico Felitti: o melodrama e as angústias de um jornalista.
  4. Angélica Vier Munhoz (UNIVATES). Arquivar e inventariar o corpo.

 

Projetos poéticos II

  1. Mônica Fernanda Rodrigues Gama (UFOP). Testemunho e performance do literário em projeto inédito de Guimarães Rosa.             
  2. Lucas Emanoel Soares Meira (USP). Utopia e desencanto - Dois tempos ideológicos de Drummond.       
  3. Milena Ribeiro Martins (UFPR). Duas cavalgaduras: o processo criativo como objeto da ficção.
  4. Beatriz Meleiro Teixeira (USP). O lugar da saudade na motivação da escrita Roseana.
  5. Juliana Maffeis (PUC-RS). Catálogo de ideias abandonadas.

 

Poéticas e suportes

  1. Vinícius de Oliveira Gonçalves (Puc-SP). O processo de criação de Anna Maria Maiolino: obras, registros e vestígios.
  2. Mariana de Araújo Reis Lima (UFES). Percursos e Processos do grafite feminino em Vitória/ES.
  3. Sandra Cristina Souza Corrêa, Silvia Maria Guerra Anastácio (UFBA). Rascunhos do contemporâneo: a peça radiofônica A lenda de Iping.
  4. Rafael Ghiraldelli da Silva (Unicamp). O meio, a mensagem e as origens: um estudo acerca do processo criativo divulgado no blog de Adam Curtis.

Dia 02 de outubro

13h30-15h

Performance e autoria

  1. Claudia Amigo Pino (USP). Como escrever falando: os seminários experimentais de Roland Barthes.    
  2. Giovani T. Kurz (UFPR). Gesto, gestos: contribuições possíveis de Giorgio Agamben à Crítica Genética.
  3. Dayane de Oliveira Gonçalves (UFOP). O gesto literário em Dois irmãos: ficcionalização do processo criativo.
  4. Claudia Maria de Serrão Pereira (UFSCAR). A gestão de autoria de Milton Hatoum: um caso de espólio virtual.   

 

Processos de criação literária: do caderno à publicação II

  1. Leandro Trindade Pinto, Viviane Arena Figueiredo (UFF). Júlia Lopes de Almeida: um estudo genético da peça teatral A senhora marquesa.     
  2. Elizama Almeida (PUC-RJ). Cadernos são “Problemas Universais”: uma editora no arquivo Ana Cristina Cesar.      
  3. Sophia Celine Vieira de Souza (USP). Análise Preliminar dos manuscritos de 14 capítulos de Viagem de Graciliano Ramos.
  4. Katerina Blasques Kaspar (USP). Escrita em obras: a experiência das palestras performáticas no processo criativo.

 

Fotografia e arquivo

  1. Ana Carolina Sant'Anna de Almeida (PUC-SP). Arquivos da Criação: o arquivo de Mauro Restiffe.
  2. Patricia Kiss Spineli (PUC-SP). No rastro da ausência: sobre as exclusões nas sequências fotográficas.          
  3. Aparecido Jose Cirillo, Stela Maris Sanmartin (UFES).  Ao redor do invisível: o tempo em suspensão no processo criativo de Claudia França.
  4. Marcelo Maraninchi (USP). Cenografia e gênese do autor no Instagram.
  5. Wilson Renato Negrão (Puc-SP). Processo de criação e globalização.

 

17h00 Gênero e valorização de manuscritos de escritoras: entrada das mulheres na vida pública, constituição de arquivos e patrimônio nacional Curso
Local: laboratório de informática

Profa. Dra. Soledad Falabella (Universidad de Chile) (em espanhol) – Inscrições limitadas

 

No dia 2, o curso inicia-se às 17h.

No dia 03, inicia-se às 15h30.

10h30 Programação das comunicações Apresentação Oral
Local: -

Programação das comunicações

Dia 03 de outubro

10h30-12h

O corpo e o digital

  1. Andressa L. M. Medeiros, Pedro Kaoro Kussaba (UFPR).  Humanidades digitais e arquivos literários.          
  2. Graciela Goldchluk (IDIHCS-UNLP-CONICET). La reencarnación de la literatura: el manuscrito como un cuerpo que insiste.             
  3. Carla Cavalcanti e Silva (UNESP-Assis). Arquivar, conservar e digitalizar: o Fundo Marcel Proust e sua publicização pela Biblioteca Nacional da França.
  4. Allison Leão, Luana Aguiar Moreira (UEA). Fontes imateriais e processo de criação em Frauta de barro, de Luiz Bacellar.     
  5. Lanna Caroline Silva de Almeida, Lueldo Teixeira Bezerra, Márcia Edlene Mauriz Lima (UniNassau/UESPI). Do físico para o virtual: o processo de desterritorialização e reterritorialização da coleção de litogravuras que deram luz às capas das obras de Fontes Ibiapina.

 

Correspondência e arquivo

  1. Raimunda Celestina Mendes da Silva (UESPI). Cartas de amor de Da Costa e Silva: fontes e rastros.   
  2. Regina Kohlrausch (PUC-RS). Correspondência em arquivo: rascunhos do passado no contemporâneo.    
  3. Rodrigo Jorge Ribeiro Neves (IEB-USP). Mário de Andrade e Carlos Lacerda: arquivo, literatura e política.
  4. Marcos Moreira (UnB). Desconstrução artística do Arquivo Colonial.

 

Relações intermidiáticas

  1. Luciana Wrege Rassier (UFSC). Redes intermidiáticas e percursos de criação romantizados em La nostalgie heureuse.    
  2. Leonardo Cavalcante Mendes (USP). Uma presença entrelinhas: os vestígios autobiográficos nos arquivos de Les lieux d’une fugue, de Georges Perec.      
  3. Silvia Maria Guerra Anastácio (UFBA). Crítica de processo de texto multimodal. Nina vai à escola, uma peça radiofônica.
  4. Wagner de Miranda (PUC-SP). Roberto Alencar e o corpo intermidiático: a criação da 12ª edição da revista Murro em ponta de faca.    
  5. Álvaro Petersen Junior. A Evolução dos cenários para manipulação de bonecos nos programas infanto juvenis da TV Cultura.

 

Circulação

  1. Esther da Silva Almeida (UESPI). O paralelo entre a edição primeira do conto “Trinta e dois” na revista Alterosa x edição definitiva em Chão de meu deus.            
  2. Warlen Ranniery Araujo Cruz (UESPI). A edição primeira do conto “Tropeiros”, de fontes Ibiapina.
  3. Ana Laura de Brum Kury da Silva (UFPR). "A princesa e o goblin" de George MacDonald: diferenças entre manuscrito e edições impressas.       
  4. Diamila Medeiros (UFPR). Intertextualidade: a transitividade da poesia contemporânea.

 

Desenho e imagem

  1. Letícia Weiduschadt (UFMG). Nuno Ramos: entre a profissão e o trabalho.
  2. Flávia de Almeida Fábio Garboggini. O Muro: reinterpretações de uma paisagem particular.
  3. Laís Guaraldo, SIlvio Roberto Mieli (UFRN). Pintura, estamparia e sociabilidade sobre o tecido urbano.
  4. Ionally Maria da Silva (Univasf). Calendário gráfico: gerenciador do tempo e de memórias na incubação de insights no processo criativo.
15h30 Gênero e valorização de manuscritos de escritoras: entrada das mulheres na vida pública, constituição de arquivos e patrimônio nacional Curso
Local: laboratório de informática

Profa. Dra. Soledad Falabella (Universidad de Chile) (em espanhol) – Inscrições limitadas

 

No dia 2, o curso inicia-se às 17h.

No dia 03, inicia-se às 15h30.

Local

Universidade Federal do Paraná - 80020-300, rua general carneiro, 460, Centro, Curitiba, Paraná,

Universidades Organizadoras

Apoio

Organizador

APCG

APCG – Associação de Pesquisadores em Crítica Genética

A crítica genética foi introduzida no Brasil em 1985 por Philippe Willemart, professor de literatura francesa na USP, que, depois de um pós-doc no ITEM, ofereceu um curso de pós-graduação sobre o estudo dos manuscritos. Isso interessou diferentes pesquisadores, que já trabalhavam com arquivos, mas tinham dificuldade em articular esse material com a crítica literária.

Depois desse curso, esses pesquisadores (entre os quais, destacamos Cecília Almeida Salles e Telê Ancona Lopez) decidiram criar a Associação de Pesquisadores do Manuscrito Literário e anos depois (1990) criaram a Revista Manuscrítica, que já tem 31 números.

É preciso citar também os acordos internacionais entre o ITEM e a USP, que permitiram várias missões de pesquisadores no Brasil e na França. Também fizemos aqui várias traduções de textos de pesquisadores do ITEM. Além da Genética dos textos, de Pierre-Marc de Biasi, traduzido por Marie Hélène Paret Passos, devemos mencionar os Elementos de crítica genética, pela editora da UFRGS e também Manuscritos de Escritores, pela UFMG, além da coletânea Criação em processo, organizada por Roberto Zular e de vários artigos publicados na Manuscrítica.

A Associação dos Pesquisadores do Manuscrito Literário passa a chamar-se Associação dos Pesquisadores em Crítica Genética em 2002, mudança que revela os novos rumos da área – não apenas o estudo do processo de criação de uma obra publicada, mas a relação entre desenhos e obras, a correspondência, a criação de edições genética, a gênese da dança, das artes plásticas, do cinema, do vídeo-arte.

Hoje a Associação tem aproximadamente 150 pesquisadores, distribuídos em 15 grupos de pesquisa em quase toda a extensão do território brasileiro. A APCG abraça pesquisas que se dedicam ao estudo do processo de criação nos campos da literatura, linguística, tradução, tradução intersemiótica, artes visuais, cinema, arquitetura, design, etc.


Veja mais em http://apcg.com.br