Encontro Discente das Ciências Sociais - UFSM

Encontro Discente das Ciências Sociais - UFSM

Faça sua inscrição
De 17 a 21 de janeiro Todos os dias das 15h00 às 23h59
Evento online O link do evento ainda não foi informado

Sobre o Evento

O Encontro Discente das Ciências Sociais - EDICS é um evento organizado por estudantes da graduação e pós-graduação do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. O evento tem como objetivo proporcionar um espaço de debates sobre temas pertinentes à pesquisa social, da socialização de pesquisas e estudos e da construção de redes de trabalho e colaboração.

O EDICS ocorrerá de forma online e gratuita, através da plataforma Doity, entre os dias 17 e 21 de janeiro de 2022, e tem como público alvo estudantes de graduação e pós-graduação de diversas áreas, bem como pessoas ligadas à movimentos sociais, professores de ensino básico e atores da sociedade civil.

Palestrantes

  • Rosana Pinheiro-Machado
  • Elis Radmann

Programação

19h00 GT 1 - Relações Raciais e Etnicidade Simpósio Temático
Local: Sala GT 1

O GT Relações Raciais e Etnicidade tem o objetivo de propiciar um debate ampliado acerca das desigualdades raciais, tema fundamental de análise nas ciências sociais para a compreensão de processos histórico-estruturais e subjetivos que incidem no meio social. Com foco em pesquisas e reflexões sobre raça, racismo, branquitude, relações étnico-raciais e movimentos sociais negros, indígenas, amarelos, racializados em geral, buscamos, além de aprofundar e revisar temáticas tradicionais, fortalecer discussões teóricas e empíricas sobre conflitos e resistências atuais. Deste modo, este GT procura estimular um diálogo crítico através de múltiplas abordagens e localidades sociais, culturais e políticas que possam impulsionar a produção de conhecimento sobre as relações raciais na sociedade brasileira, bem como de outros territórios marcados historicamente por processos coloniais.

Coordenadoras: Nuncia Gabriele Guimarães Escobar, Luísa Paim Martins e Andressa Mourão Duarte

19h00 GT 2 - Gênero e sexualidade: trajetórias, disputas e rupturas Simpósio Temático
GT 2 - Gênero e sexualidade: trajetórias, disputas e rupturas
Local: Sala GT 2

Com o propósito de receber trabalhos que partam dos estudos de gênero e sexualidade, este GT pretende reunir resumos de pesquisas já concluídas, em andamento, ou até mesmo em etapa de projeto, assim como relatos de experiência de pessoas pesquisadoras e ativistas não vinculadas a Instituições de Ensino Superior. Além disso, incentiva-se o debate interdisciplinar a partir de pesquisas situadas nas diferentes áreas das Ciências Sociais bem como de outros cursos e áreas de estudos. Serão bem-vindos trabalhos que questionem as construções sociais generificadas sobre os significados de “ser” homem e “ser” mulher, compreendendo gênero enquanto performance e prática discursiva reiterada nas diferentes esferas sociais, buscamos tensionar a cis-normatividade que incide sobre corpos dissidentes contribuindo para a marginalização desses sujeitos; além de discutir as disputas por narrativas que compreendem uma corporificação na arena reprodutiva, especialmente ao usar da biologia como ponto de construção de hierarquias sociais que produzem desigualdades, nas quais estabelecem formas de divisão sexual do trabalho. Também incentivamos trabalhos que tratem da sexualidade para além da lógica da monossexualidade (ou seja, para além do binarismo hétero e homossexual), valorizando contribuições que busquem tensionar essa leitura historicamente binária da sexualidade, a qual traz consequências para a expressão da afetividade e outras violências. Entendemos que tensioná-la permite questionar também estereótipos que contribuem para invisibilizar identidades monodissidentes como a bissexualidade e a pansexualidade, por exemplo. Destacamos que os trabalhos submetidos podem partir de análises teóricas e de pesquisas empíricas ou sobre produtos culturais (documentários, séries, filmes, literatura, música, jogos) em que as tensões de gênero e/ou sexualidade estejam em evidência. De maneira geral, possíveis temas a serem tratados são: Masculinidades; Transexualidades, Travestilidades e Identidades Não-binárias; Bissexualidades e Monodissidência; Lesbianidades; Homossociabilidades; Movimento LGBTQIA+; Ativismo e identidades políticas; Movimentos Feministas e de Mulheres; Sociologia da Família; Estudos Maternos; Divisão Sexual do Trabalho; Violência contra as Mulheres; Novas relações familiares e suas dinâmicas de gênero; Gênero e sexualidade na construção do conhecimento científico: pesquisa corporificada.

Coordenadores: Fernanda Fernandes, Daniel Stack, Carolina Farneze e Danieli Klidzo

19h00 GT 3 - Ensino, aprendizagem e educação Simpósio Temático
GT 3 - Ensino, aprendizagem e educação
Local: Sala GT 3 - Ensino, aprendizagem e educação

Engana-se aquela(e) que pensa que a educação se tornou objeto das Ciências Sociais quando esta entra enquanto disciplina no Ensino Básico brasileiro por intermédio da Sociologia. A educação é um dos temas mais clássicos na formação de cientistas sociais, que vão desde as discussões de Émile Durkheim a Tim Ingold na contemporaneidade, abrangendo junto a Sociologia, a Ciência Política e a Antropologia. Vale-se da concepção de Carlos Rodrigues Brandão de que a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. Neste sentido, o Grupo de Trabalho está aberto a propostas que abordem temas relacionados ao ensino, aprendizagem e educação nas suas mais variadas formas e abordagens nas Ciências Sociais: relatos de experiências; produtos de disciplinas (artigos, ensaios etc.); relatórios de estágios; projetos / trabalhos de conclusão de curso ; projetos e pesquisas de iniciação científica; e ainda, trabalhos de pós-graduação.

Coordenadores: Gabriel Claro da Rosa e Renata Colbeich da Silva

19h00 GT 4 - O Trabalho na Contemporaneidade: Relações de Produção, Conflitos, Direitos e Modos de Vida Simpósio Temático
GT 4 - O Trabalho na Contemporaneidade: Relações de Produção, Conflitos, Direitos e Modos de Vida
Local: Sala GT 4 - O Trabalho na Contemporaneidade

O objetivo deste Grupo de Trabalho (GT) é acolher e discutir pesquisas que abordem as diferentes interfaces do mundo do trabalho na contemporaneidade. As transformações laborais em escala global, por efeito da crise estrutural capitalista, suscitaram novas ideologias que acentuaram os conflitos sociais, que impactam tanto a dimensão objetiva do trabalho, quanto a subjetividade da classe trabalhadora. O recente modelo flexível vem acompanhado da desregulamentação radical do labor, que enseja diferentes modalidades empregatícias e impulsiona maior instabilidade, insegurança, degradação da saúde e fragilização dos vínculos sociais. Diferentes formas de controle e intensificação laboral emergem e elevam a (super)exploração da força de trabalho, além de demandar novos padrões de ação sindical e de lutas mais amplas da classe trabalhadora. Neste novo panorama do trabalho, as noções de empregabilidade e empreendedorismo também se tornam expressivas, sendo associadas aos processos de reconversão produtiva e de acumulação econômica. As desigualdades sistemáticas de gênero e raça definem a posição social na esfera de produção. A esfera rural, por sua vez, também abarca novas configurações laborais pela mecanização agrícola e as exigências pela mão de obra qualificada. Outras características deste segmento são as dinâmicas da promoção cultural e turismo rural; a produção e consumo de trabalhos com valor simbólico agregado, assim como a agroindustrialização familiar. Por conseguinte, o mundo do trabalho expressa, a partir das mudanças produtivas, a precariedade laboral e da vida social como todo. Assim, o GT pretende incorporar pesquisas que contemplem reflexões sobre: a) o trabalho e as relações de gênero e raça; b) o impacto da flexibilidade na vida da classe trabalhadora; c) a flexibilização e a precarização das relações trabalhistas; d) as formas de controle e (super)exploração da força de trabalho; e) as práticas de resistências e os conflitos de categorias tradicionais e novas categorias de trabalhadores(as); f) as novas formas de organização política do sindicato e sindicalismo; g) as novas configurações do trabalho no mundo rural; h) as noções de empregabilidade e empreendedorismo nos diferentes segmentos laborais; i) as condições laborais flexíveis e os impactos da pandemia da Covid-19.

Cordenadores: Marconi Severo, Giovana Duarte e Íngrid Schmidt Visentini

19h00 GT 5 - Sociedade, Cultura e Poder Simpósio Temático
 GT 5 -  Sociedade, Cultura e Poder
Local: Sala GT 5

O presente Grupo de Trabalho pretende fomentar discussões sobre as interfaces entre a sociedade, cultura e poder, a partir das perspectivas sociológicas e antropológicas contemporâneas. O objetivo é discutir sobre a relação que os indivíduos, coletivos sociais, grupos étnicos, entre outros, estabelecem com as práticas associadas ao poder, sejam estas pertencentes à esfera cotidiana, ou em uma escala macro-estrutural. Entende-se o poder enquanto prática sociohistórica e uma variável capaz de explicar como se produzem os saberes, subjetividades, discursos e a própria cultura. Temos a pretensão de receber trabalhos de variadas temáticas, como por exemplo, relações de poder, micropolíticas, agenciamentos, resistências, subjetividades, construções identitárias, transformações sociais, movimentos migratórios, bem como outras abordagens dedicadas à análise das multiplicidades que abarcam a contemporaneidade. Dessa forma pretendemos ampliar o espaço de trocas, reflexões, questionamentos e debates. Etnografias, trabalhos teóricos e/ou empíricos, pesquisas concluídas, em andamento ou em etapa de projeto, realizados por graduandos, profissionais, mestrandos, mestres, doutorandos, e doutores serão muito bem-vindos.

Coordenadoras: Diana Bolãnos, Jeniffer Hübner e Verônica Crestani

19h00 GT 6 - Estudos e Pesquisas em Ciência Política Simpósio Temático
GT 6 - Estudos e Pesquisas em Ciência Política
Local: Sala GT 06 - Estudos e Pesquisas em Ciência Política

A proposta do GT Estudos e Pesquisas em Ciência Política é promover o debate teórico, metodológico e empírico relacionado às distintas áreas da Ciência Política, tendo como norte a experiência brasileira. Nesse sentido, abre-se espaço à diversidade de temas que englobam o fenômeno político em suas diversas acepções e perspectivas. Sob tal perspectiva, o GT receberá trabalhos sobre os seguintes temas: partidos e sistemas partidários; eleições e sistemas eleitorais; sistema federativo e políticas públicas; relação entre poderes e poderes individualmente; cidadania e participação política; democracia participativa, deliberativa e direta; cidadania e direitos humanos; Estado e movimentos sociais; elites políticas; comunicação política; política internacional; entre outros.

Coordenadores: Mateus Coelho Martins de Albuquerque e Gustavo Oliveira Kwiatkowski

19h00 GT 7 - Pesquisa em Mídias Digitais Simpósio Temático
GT 7 - Pesquisa em Mídias Digitais
Local: Sala GT 7 - Pesquisa em Mídias Digitais

A expansão dos diversos usos e apropriações das tecnologias digitais, internet e dispositivos móveis na América Latina e em outros continentes, tem conectado sujeitos em diferentes intensidades de forma que fronteiras, identidades e interesses têm sido reelaborados. Em fluxo live streaming, por meio de redes sociais digitais, sites de relacionamentos, fóruns, programas de mensagens instantâneas, jogos online, ambientes de realidade artificial, outras formas de se relacionar demonstram mudanças significativas em aspectos da vida social, cultural, política e subjetiva das sociedades contemporâneas.

O presente GT intitulado como Pesquisa em Mídias Digitais tem como objetivo articular pesquisas sobre as mais diversas temáticas que marcam a sociedade atual através da emergência das mídias digitais. Com a ascensão e popularização da Internet via smartphones, por exemplo, observamos que os inúmeros grupos sociais passaram a se relacionar de maneiras diferentes. Dessa maneira, temos como pretensão receber pesquisas em andamento ou mesmo concluídas que abordem as diversas sociabilidades possibilitadas pelos, nos e através dos ambientes digitais: como relacionadas a ações algorítmicas, discussões sobre materialidades, ambientes, plataformas, fluxos, fronteiras, sociabilidades, sexualidades, corporalidades, subjetividades, privacidades, moralidades, afetividades, políticas e discussões metodológicas que abordem experiências de campo em ambientes digitais potencializadas pelo contexto pandêmico.

Coordenadores: Marcelo Salamoni, Raíra Bohrer, Diessica Gaige

Palestra de Abertura: A relevância da Pesquisa Social no contexto político atual - Rosana Pinheiro-Machado

17 de Janeiro - 16h 

Palestra de Abertura - A relevância da Pesquisa Social no contexto político atual

Rosana Pinheiro-Machado

Professora de Desenvolvimento Internacional do Department of Social and Policy Sciences na University of Bath e Fellow da Higher Education Academy do Reino Unido. Integra, como investigadora, o projeto global "No longer, poor not middle class", desenvolvido entre quatro instituições em quatro países. Foi professora de Desenvolvimento Internacional na Universidade de Oxford de 2013 a 2016. Realizou pesquisa de pós-doutorado com bolsa Capes pela Harvard University, onde também foi Visiting Scholar (2012-2013). Graduou-se em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Fez seu doutorado em Antropologia Social pela UFRGS, sendo bolsista da Wenner-Gren Foundation, com doutorado sanduíche pela University College London (UCL). Considerada nas Ciências Sociais brasileiras como uma das pioneiras na produção de trabalho de campo na República Popular da China

Às16h00 - Sala palestra de abertura
19h00 GT 1 - Relações Raciais e Etnicidade Simpósio Temático
Local: Sala GT 1

O GT Relações Raciais e Etnicidade tem o objetivo de propiciar um debate ampliado acerca das desigualdades raciais, tema fundamental de análise nas ciências sociais para a compreensão de processos histórico-estruturais e subjetivos que incidem no meio social. Com foco em pesquisas e reflexões sobre raça, racismo, branquitude, relações étnico-raciais e movimentos sociais negros, indígenas, amarelos, racializados em geral, buscamos, além de aprofundar e revisar temáticas tradicionais, fortalecer discussões teóricas e empíricas sobre conflitos e resistências atuais. Deste modo, este GT procura estimular um diálogo crítico através de múltiplas abordagens e localidades sociais, culturais e políticas que possam impulsionar a produção de conhecimento sobre as relações raciais na sociedade brasileira, bem como de outros territórios marcados historicamente por processos coloniais.

Coordenadoras: Nuncia Gabriele Guimarães Escobar, Luísa Paim Martins e Andressa Mourão Duarte

19h00 GT 2 - Gênero e sexualidade: trajetórias, disputas e rupturas Simpósio Temático
GT 2 - Gênero e sexualidade: trajetórias, disputas e rupturas
Local: Sala GT 2

Com o propósito de receber trabalhos que partam dos estudos de gênero e sexualidade, este GT pretende reunir resumos de pesquisas já concluídas, em andamento, ou até mesmo em etapa de projeto, assim como relatos de experiência de pessoas pesquisadoras e ativistas não vinculadas a Instituições de Ensino Superior. Além disso, incentiva-se o debate interdisciplinar a partir de pesquisas situadas nas diferentes áreas das Ciências Sociais bem como de outros cursos e áreas de estudos. Serão bem-vindos trabalhos que questionem as construções sociais generificadas sobre os significados de “ser” homem e “ser” mulher, compreendendo gênero enquanto performance e prática discursiva reiterada nas diferentes esferas sociais, buscamos tensionar a cis-normatividade que incide sobre corpos dissidentes contribuindo para a marginalização desses sujeitos; além de discutir as disputas por narrativas que compreendem uma corporificação na arena reprodutiva, especialmente ao usar da biologia como ponto de construção de hierarquias sociais que produzem desigualdades, nas quais estabelecem formas de divisão sexual do trabalho. Também incentivamos trabalhos que tratem da sexualidade para além da lógica da monossexualidade (ou seja, para além do binarismo hétero e homossexual), valorizando contribuições que busquem tensionar essa leitura historicamente binária da sexualidade, a qual traz consequências para a expressão da afetividade e outras violências. Entendemos que tensioná-la permite questionar também estereótipos que contribuem para invisibilizar identidades monodissidentes como a bissexualidade e a pansexualidade, por exemplo. Destacamos que os trabalhos submetidos podem partir de análises teóricas e de pesquisas empíricas ou sobre produtos culturais (documentários, séries, filmes, literatura, música, jogos) em que as tensões de gênero e/ou sexualidade estejam em evidência. De maneira geral, possíveis temas a serem tratados são: Masculinidades; Transexualidades, Travestilidades e Identidades Não-binárias; Bissexualidades e Monodissidência; Lesbianidades; Homossociabilidades; Movimento LGBTQIA+; Ativismo e identidades políticas; Movimentos Feministas e de Mulheres; Sociologia da Família; Estudos Maternos; Divisão Sexual do Trabalho; Violência contra as Mulheres; Novas relações familiares e suas dinâmicas de gênero; Gênero e sexualidade na construção do conhecimento científico: pesquisa corporificada.

Coordenadores: Fernanda Fernandes, Daniel Stack, Carolina Farneze e Danieli Klidzo

19h00 GT 3 - Ensino, aprendizagem e educação Simpósio Temático
GT 3 - Ensino, aprendizagem e educação
Local: Sala GT 3 - Ensino, aprendizagem e educação

Engana-se aquela(e) que pensa que a educação se tornou objeto das Ciências Sociais quando esta entra enquanto disciplina no Ensino Básico brasileiro por intermédio da Sociologia. A educação é um dos temas mais clássicos na formação de cientistas sociais, que vão desde as discussões de Émile Durkheim a Tim Ingold na contemporaneidade, abrangendo junto a Sociologia, a Ciência Política e a Antropologia. Vale-se da concepção de Carlos Rodrigues Brandão de que a educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. Neste sentido, o Grupo de Trabalho está aberto a propostas que abordem temas relacionados ao ensino, aprendizagem e educação nas suas mais variadas formas e abordagens nas Ciências Sociais: relatos de experiências; produtos de disciplinas (artigos, ensaios etc.); relatórios de estágios; projetos / trabalhos de conclusão de curso ; projetos e pesquisas de iniciação científica; e ainda, trabalhos de pós-graduação.

Coordenadores: Gabriel Claro da Rosa e Renata Colbeich da Silva

19h00 GT 4 - O Trabalho na Contemporaneidade: Relações de Produção, Conflitos, Direitos e Modos de Vida Simpósio Temático
GT 4 - O Trabalho na Contemporaneidade: Relações de Produção, Conflitos, Direitos e Modos de Vida
Local: Sala GT 4 - O Trabalho na Contemporaneidade

O objetivo deste Grupo de Trabalho (GT) é acolher e discutir pesquisas que abordem as diferentes interfaces do mundo do trabalho na contemporaneidade. As transformações laborais em escala global, por efeito da crise estrutural capitalista, suscitaram novas ideologias que acentuaram os conflitos sociais, que impactam tanto a dimensão objetiva do trabalho, quanto a subjetividade da classe trabalhadora. O recente modelo flexível vem acompanhado da desregulamentação radical do labor, que enseja diferentes modalidades empregatícias e impulsiona maior instabilidade, insegurança, degradação da saúde e fragilização dos vínculos sociais. Diferentes formas de controle e intensificação laboral emergem e elevam a (super)exploração da força de trabalho, além de demandar novos padrões de ação sindical e de lutas mais amplas da classe trabalhadora. Neste novo panorama do trabalho, as noções de empregabilidade e empreendedorismo também se tornam expressivas, sendo associadas aos processos de reconversão produtiva e de acumulação econômica. As desigualdades sistemáticas de gênero e raça definem a posição social na esfera de produção. A esfera rural, por sua vez, também abarca novas configurações laborais pela mecanização agrícola e as exigências pela mão de obra qualificada. Outras características deste segmento são as dinâmicas da promoção cultural e turismo rural; a produção e consumo de trabalhos com valor simbólico agregado, assim como a agroindustrialização familiar. Por conseguinte, o mundo do trabalho expressa, a partir das mudanças produtivas, a precariedade laboral e da vida social como todo. Assim, o GT pretende incorporar pesquisas que contemplem reflexões sobre: a) o trabalho e as relações de gênero e raça; b) o impacto da flexibilidade na vida da classe trabalhadora; c) a flexibilização e a precarização das relações trabalhistas; d) as formas de controle e (super)exploração da força de trabalho; e) as práticas de resistências e os conflitos de categorias tradicionais e novas categorias de trabalhadores(as); f) as novas formas de organização política do sindicato e sindicalismo; g) as novas configurações do trabalho no mundo rural; h) as noções de empregabilidade e empreendedorismo nos diferentes segmentos laborais; i) as condições laborais flexíveis e os impactos da pandemia da Covid-19.

Cordenadores: Marconi Severo, Giovana Duarte e Íngrid Schmidt Visentini

19h00 GT 5 - Sociedade, Cultura e Poder Simpósio Temático
 GT 5 -  Sociedade, Cultura e Poder
Local: Sala GT 5

O presente Grupo de Trabalho pretende fomentar discussões sobre as interfaces entre a sociedade, cultura e poder, a partir das perspectivas sociológicas e antropológicas contemporâneas. O objetivo é discutir sobre a relação que os indivíduos, coletivos sociais, grupos étnicos, entre outros, estabelecem com as práticas associadas ao poder, sejam estas pertencentes à esfera cotidiana, ou em uma escala macro-estrutural. Entende-se o poder enquanto prática sociohistórica e uma variável capaz de explicar como se produzem os saberes, subjetividades, discursos e a própria cultura. Temos a pretensão de receber trabalhos de variadas temáticas, como por exemplo, relações de poder, micropolíticas, agenciamentos, resistências, subjetividades, construções identitárias, transformações sociais, movimentos migratórios, bem como outras abordagens dedicadas à análise das multiplicidades que abarcam a contemporaneidade. Dessa forma pretendemos ampliar o espaço de trocas, reflexões, questionamentos e debates. Etnografias, trabalhos teóricos e/ou empíricos, pesquisas concluídas, em andamento ou em etapa de projeto, realizados por graduandos, profissionais, mestrandos, mestres, doutorandos, e doutores serão muito bem-vindos.

Coordenadoras: Diana Bolãnos, Jeniffer Hübner e Verônica Crestani

19h00 GT 6 - Estudos e Pesquisas em Ciência Política Simpósio Temático
GT 6 - Estudos e Pesquisas em Ciência Política
Local: Sala GT 06 - Estudos e Pesquisas em Ciência Política

A proposta do GT Estudos e Pesquisas em Ciência Política é promover o debate teórico, metodológico e empírico relacionado às distintas áreas da Ciência Política, tendo como norte a experiência brasileira. Nesse sentido, abre-se espaço à diversidade de temas que englobam o fenômeno político em suas diversas acepções e perspectivas. Sob tal perspectiva, o GT receberá trabalhos sobre os seguintes temas: partidos e sistemas partidários; eleições e sistemas eleitorais; sistema federativo e políticas públicas; relação entre poderes e poderes individualmente; cidadania e participação política; democracia participativa, deliberativa e direta; cidadania e direitos humanos; Estado e movimentos sociais; elites políticas; comunicação política; política internacional; entre outros.

Coordenadores: Mateus Coelho Martins de Albuquerque e Gustavo Oliveira Kwiatkowski

19h00 GT 7 - Pesquisa em Mídias Digitais Simpósio Temático
GT 7 - Pesquisa em Mídias Digitais
Local: Sala GT 7 - Pesquisa em Mídias Digitais

A expansão dos diversos usos e apropriações das tecnologias digitais, internet e dispositivos móveis na América Latina e em outros continentes, tem conectado sujeitos em diferentes intensidades de forma que fronteiras, identidades e interesses têm sido reelaborados. Em fluxo live streaming, por meio de redes sociais digitais, sites de relacionamentos, fóruns, programas de mensagens instantâneas, jogos online, ambientes de realidade artificial, outras formas de se relacionar demonstram mudanças significativas em aspectos da vida social, cultural, política e subjetiva das sociedades contemporâneas.

O presente GT intitulado como Pesquisa em Mídias Digitais tem como objetivo articular pesquisas sobre as mais diversas temáticas que marcam a sociedade atual através da emergência das mídias digitais. Com a ascensão e popularização da Internet via smartphones, por exemplo, observamos que os inúmeros grupos sociais passaram a se relacionar de maneiras diferentes. Dessa maneira, temos como pretensão receber pesquisas em andamento ou mesmo concluídas que abordem as diversas sociabilidades possibilitadas pelos, nos e através dos ambientes digitais: como relacionadas a ações algorítmicas, discussões sobre materialidades, ambientes, plataformas, fluxos, fronteiras, sociabilidades, sexualidades, corporalidades, subjetividades, privacidades, moralidades, afetividades, políticas e discussões metodológicas que abordem experiências de campo em ambientes digitais potencializadas pelo contexto pandêmico.

Coordenadores: Marcelo Salamoni, Raíra Bohrer, Diessica Gaige

19h00 Minicurso 1 - Avaliação de Políticas Públicas Minicurso
Minicurso 1 - Avaliação de Políticas Públicas
Local: Sala Minicurso Avaliação de Políticas Públicas

Avaliação de Políticas Públicas - Matheus Muller e Jennifer Azambuja de Morais

As políticas públicas nada mais são do que ações realizadas pelo Estado (seus governantes e gestores) para tentar resolver um problema que é público (pois atinge quantidade significativa da população). Algumas vezes elas até conseguem extinguir ou minimizar os impactos do problema. Em outras tantas, não são capazes de chegar a uma solução eficiente. Por que a política pública deu errado? Ou, por que a ação deu certo antes e agora não? O mini curso de Avaliação de Políticas Públicas servirá para responder a este tipo de questionamento que marca o cotidiano da administração pública e da própria população brasileira. Nele, vamos abordar os diferentes momentos para se realizar a avaliação de uma política pública (ex ante, in itinere, ex post), os diferentes tipos de avaliação e as principais técnicas utilizadas. A professora Jennifer (UFRGS) costuma trabalhar com políticas públicas, cultura política, capital social, socialização política, juventude, desenvolvimento regional, eleições, opinião pública e comunicação política. O professor Matheus (UFSM) trabalha com políticas públicas e políticas sociais, política brasileira, poder local e comportamento eleitoral.

19h00 Minicurso 2 - Antropologia e Sociologia Digital Minicurso
Minicurso 2 - Antropologia e Sociologia Digital
Local: Sala Minicurso Antropologia e Sociologia Digital

Antropologia e Sociologia Digital - Francis Moraes de Almeida, Fernando de Figueiredo Balieiro e Débora Leitão

O minicurso abordará a contribuição dos subcampos da Sociologia e Antropologia Digital em três eixos principais: enquadramento midiático e análise documental de arquivos textuais e audiovisuais de acesso público; etnografia polifônica de jogos digitais; fake news, boatos e teorias da conspiração. As apresentações tratarão de questões teóricas e metodológicas a partir de experiências de pesquisa. O objetivo do minicurso é fornecer subsídios para estudantes que buscam desenvolver pesquisas que envolvam a mediação das tecnologias digitais na vida social.

19h00 Minicurso 3 - Pensamento decolonial: antecedentes, proposições e desdobramentos Minicurso
Minicurso 3 - Pensamento decolonial: antecedentes, proposições e desdobramentos
Local: Sala Minicurso Pensamento decolonial: antecedentes, proposições e desdobramentos

Pensamento decolonial: antecedentes, proposições e desdobramentos - José Marcos Froehlich

A partir dos conhecimentos e interesses prévios dos participantes, o minicurso visa abordar os antecedentes filosóficos e políticos do pensamento decolonial na América Latina, suas principais proposições, enfoques e trajetórias, até os seus desdobramentos teóricos e sociopolíticos na atualidade.

19h00 Minicurso 4 - Escrita Acadêmica Minicurso
Minicurso 4 - Escrita Acadêmica
Local: Sala Minicurso Escrita Acadêmica

Escrita Acadêmica - Mariana Selister

Descrição do minicurso: Quem tem medo da Escrita Acadêmica? Quase todo mundo! A escrita acadêmica tem mistérios muitas vezes não revelados dentro das estruturas de poder da universidade. Nosso objetivo, neste minicurso, é desvendar alguns deles. Abordaremos a estrutura dissertativa (usada tanto nos TCCs, quanto em dissertações e artigos), a organização de um texto, a importância da argumentação, a importância do método científico, o uso de citações, alguns recursos estilísticos e alguns erros comuns. Também, compartilharemos dicas sobre como publicar. A Professora Mariana tem publicações nas principais revistas do Brasil, na área de Ciências Sociais (como a Dados) e de Estudos de Gênero (como a REF); bem como, publicou recentemente em uma importante revista latinoamericana de Ciências Sociais (CS- Colômbia) e em uma das mais importantes revistas do mundo na área de Ciência Política e Relações Internacionais (Security Dialogue- Noruega).

19h00 Minicurso 5 - BNCC e Novo Ensino Médio Minicurso
Minicurso 5 - BNCC e Novo Ensino Médio
Local: Sala Minicurso BNCC e Novo Ensino Médio

BNCC e Novo Ensino Médio - Luciana Bagolin Zambon

A Reforma do Ensino Médio, instituída pela Lei 13.415/2017, promove profundas alterações na organização e no currículo do ensino médio brasileiro, acompanhada pelo estabelecimento da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), como documento que “definirá direitos e objetivos de aprendizagem do Ensino Médio” (BRASIL, 2017). Neste minicurso, será apresentado e discutido um conjunto de aspectos relativos a essa reforma, buscando compreender sua origem, atores envolvidos, possíveis motivações, movimentos de resistências, bem como indagar sobre seus desdobramentos e implicações nas escolas. Para tanto, buscamos amparo teórico em referenciais sobre trabalho docente, políticas educacionais e currículo. Luciana Bagolin Zambon - Possui Graduação em Licenciatura em Física pela UFSM, Mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSM e Doutorado em Educação pela UFSM. Atualmente, é professora do Departamento de Administração Escolar da UFSM. Tem experiência na área de pesquisa em Educação, atuando principalmente nas seguintes temáticas: Conteúdos de Ensino e Resolução de Problemas no Ensino de Ciências, Livros Didáticos, Programa Nacional do Livro Didático, Políticas Educacionais, Escola, Ensino Médio. É líder do Grupo de Pesquisa “Políticas Educacionais, Escola e Trabalho Docente”.

19h00 Mesa 'Para além da academia: trajetórias dos egressos em Ciências Sociais UFSM” Mesa Temática
Local:

A inserção no mercado de trabalho nas áreas das Ciências Sociais é possível não apenas através da carreira no magistério, seja ele no ensino básico ou Superior. Com novas - e antigas - possibilidades no mundo do trabalho, as Ciências Sociais encontram perspectivas múltiplas e carreiras consolidadas. Três de nossos egressos, com experiências em outros segmentos que não acadêmicos, nos falarão sobre suas trajetórias, formas de inserção nos cargos que ocupam, e desafios encontrados.

Daiane Amaral dos Santos possui Graduação em Ciências Sociais com titulação dupla (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Federal de Santa Maria e Mestrado em Ciências Sociais pela mesma instituição. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Etnologia Indígena, Antropologia Urbana e no ensino de Sociologia. Atualmente trabalha na Fundação Nacional do Índio - FUNAI.

Diéssica Shaiene Gaige é Doutoranda em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Graduada em Sociologia (2014) e Mestra em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Foi pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre Emoções e Realidades Digitais (NEERD) da UFSM e atualmente integra o Grupo de Antropologia da Economia e da Política (GAEP) do PPGAS/UFRGS. É colaboradora do site MMA PREMIUM

Fernando Meireles é Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pesquisador de Pós-Doutorado no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), possui Mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Bacharelado em Ciência Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É pesquisador do Centro de Estudos Legislativos (CEL/UFMG) e do Núcleo de Instituições Políticas e Eleições (NIPE/Cebrap).

19h00 - Elis Radmann Palestra de Encerramento: Pesquisa Social: Possibilidades de mercado de trabalho - Elis Radmann Palestra
Palestra de Encerramento: Pesquisa Social: Possibilidades de mercado de trabalho - Elis Radmann
Local: Sala palestra de encerramento

21 de Janeiro - 19h

Palestra de Encerramento - Pesquisa Social: Possibilidades de mercado de trabalho

Elis Radmann

Cientista social e política, fundou o IPO em 1996 e tem a ciência como vocação e formação. Socióloga (MTb 721), Bacharel em Ciências Sociais pela UFPel e especialista em Ciência Política pela mesma universidade. Mestre em Ciência Política pela UFRGS e professora universitária, Elis é Conselheira da Associação Brasileira de Pesquisadores de Mercado, Opinião e Mídia (ASBPM). No campo político-eleitoral, é especialista em comportamento eleitoral brasileiro e em análise do discurso. Atua há 20 anos como pesquisadora na coordenação de estudos comportamentais atendendo corporações, entidades de classe e setor público, se destacando como uma profissional que alia conhecimento do mercado e formação técnica.

Edições Anteriores

Apoio

Organizador

Encontro Discente das Ciências Sociais - UFSM

Comissão organizadora: Matheus Muller, Fernanda Sena Fernandes, Bruna Luísa Vogt Siebeneichler, Jeniffer Hübner, Augusto Freddo Fleck, Thais Rodrigues Cortez, Íngrid Schmidt Visentini, Marcelo Simionato Salamoni, Guadalupe dos Santos Almeida, Ana Luisa Sampaio da Silveira, Matheus Balduino Salkovski, Brenda Ferreira Paz e Júlia Santos.