II Conferência de Manejo de Pastagens das Encostas da Serra Geral Catarinense

II Conferência de Manejo de Pastagens das Encostas da Serra Geral Catarinense

Faça sua inscrição
De 17 a 18 de novembro Todos os dias das 18h50 às 22h00
Orleans, SC Centro de Vivências do Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE

Sobre o Evento

A região Sul de Santa Catarina tem contribuído significativamente para o crescimento da pecuária de corte e de leite a pasto nos últimos anos. Em 2018, o rebanho de bovinos da mesorregião sul Catarinense possuía 553,9 mil cabeças, o que representava uma participação de 12,9% no estado, ficando atrás apenas da região oeste e da região serrana (47,1 e 19,4% de participação, respectivamente). No entanto, a movimentação financeira (em milhões de reais) por mesorregião mostrou que o sul catarinense teve um valor bruto de produção de 197,75 milhões de reais, com participação de 12,8%, superando a região serrana (189,44 milhões de reais e participação de 12,3%), ficando atrás apenas da região oeste (788,87 milhões de reais e participação de 51,2%). Mesmo ocupando um lugar de destaque cada vez maior no cenário da agropecuária Sul catarinense por conta do aumento da demanda por carne no mercado, principalmente carne de qualidade, há uma grande carência de informações sobre os tipos de pastagens a serem utilizadas e sobre o correto manejo do pastejo com esses animais (bovinos destinados a produção de leite ou de corte). Com relação a pecuária de leite, em 2019, o crescimento na produção foi maior do que a média nacional, que foi de 4,96%, passando de 11,49 bilhões de litros para 12,04 bilhões de litros. Com isso o estado, que é quarto maior produtor do país, chega a 10% da produção nacional. A mesorregião sul de Santa Catarina, com a marca de 800 mil litros de leite produzidos por dia também está contribuindo para o fomento a atividade agropecuária no estado. No entanto, na mesorregião Sul de Santa Catarina ainda existem consideráveis áreas de baixo relevo (várzeas) e áreas com relevo fortemente ondulado que são subutilizados na maioria dos sistemas de produção de leite. Normalmente, seja no verão ou inverno, as pastagens destas áreas pouco contribuem para a alimentação das vacas em lactação, tornando esses sistemas vulneráveis e dependentes, principalmente da utilização da cana-de-açúcar picada, da silagem e de concentrados, resultando em elevação dos custos de produção. Os pastos constituem-se na principal fonte de alimento para estes rebanhos, especialmente compostos de gramíneas de clima tropical. Neste sentido, a produção de carne e leite em pasto busca reduzir custos de produção em relação ao uso de concentrados. Sendo assim, devem-se adotar estratégias de manejo do pastejo de acordo com os pastos em cada época do ano. Além disso, o estudo de espécies forrageiras que reúnam as qualidades de produção de matéria seca e resistência a ambientes adversos, assim como a capacidade de rebrota a pastejo frequente pode contribuir para a maior utilização de imensas áreas hoje pouco aproveitadas melhorando os índices zootécnicos da pecuária leiteira e de corte já existentes na região das encostas da serra geral catarinense.

Objetivos

Disseminar a importância do manejo de pastagens e do manejo do pastejo em sistemas de produção animal (pecuária de corte e de leite) na região das Encostas da Serra Geral Catarinense;
Levar ao alcance das pessoas a troca de experiências com produtores rurais, técnicos, extensionistas e pesquisadores acerca das novas tecnologias visando a sustentabilidade do setor agropecuário;
Articular com associações a fomentar o cooperativismo na região;
Capacitar os produtores rurais, técnicos e extensionistas a partir da distribuição de informações e conhecimentos voltados ao manejo de pastagens para a pecuária de leite e de corte sustentável;
Divulgar resultados de pesquisas recentes aplicáveis à atividade na região das Encostas da Serra Geral Catarinense;
Elucidar e integrar a comunidade os problemas ligados à economia da produção animal em pastagens;
Levar ao alcance de todos a profundidade na compreensão desses problemas;
Levantar sugestões para estudos posteriores; Sistematizar informações seguras e atualizadas.

Palestrantes

  • Cassiano Eduardo Pinto
  • Tiago Celso Baldissera
  • Andre Fischer Sbrissia
  • Homero Rock Bosch Júnior

Programação

18h50 Cerimonial de abertura Abertura
Local: Centro de Vivências

Abertura

19h20 - Cassiano Eduardo Pinto Cenários produtivos e potencialidades da pecuária de corte baseada em pastagens em Santa Catarina Palestra
Local: Centro de Vivências

cenarios-produtivos-e-potencialidades-da-pecuaria-de-corte-baseada-em-pastagens-em-santa-catarina

20h40 - Tiago Celso Baldissera Manejo de pastagens em integração lavoura-pecuária Palestra
Local: Centro de Vivências

Manejo de pastagens em integração lavoura-pecuária

19h10 - Andre Fischer Sbrissia Manejo intensivo de pastagens para produção de leite Palestra
Local: Centro de Vivências

Manejo intensivo de pastagens para produção de leite

20h40 - Homero Rock Bosch Júnior Sustentabilidade na produção pecuária Palestra
Local: Centro de Vivências

Mercado da carne e do leite no sul catarinense

Local

Centro de Vivências do Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE - 88870-000, Rua Padre João Leonir Dall'Alba, 601, Murialdo, Orleans, Santa Catarina,

Organizador

Guilherme Doneda Zanini