II Simpósio Fluminense de Jogos e Educação

II Simpósio Fluminense de Jogos e Educação

Faça sua inscrição
De 22 a 23 de novembro Todos os dias das 08h às 15h
Rio de Janeiro, RJ CEFET - Centro Federal de Educação Tecnológica

Sobre o Evento

O Simpósio Fluminense de Jogos e Educação é um evento acadêmico anual, que reúne pesquisadores, profissionais e estudantes interessados em jogos não eletrônicos e suas possibilidades pedagógicas. Sua premissa é o intercâmbio acadêmico e o desenvolvimento desta linha de atuação, e para isso conta com apresentação de trabalhos, oficinas relacionados, palestras e outras atividades relacionadas ao universo dos jogos modernos e seus desdobramentos.

Em sua segunda edição, o simpósio ocorrerá no CEFET (Unidade Maracanã) nos dias 22 e 23, em uma parceria entre Ludus Magisterium e o CEFET. Segue gratuito, com inscrições limitadas. Enquanto elemento da cultura humana, os jogos e atividades lúdicas também podem expressar, direta ou indiretamente, tanto exclusões e ratificação de experiências de invisibilização dos agentes na relação jogador-jogo quanto possibilidades emancipatórias de reconhecimento. Com o Tema "Jogos, representações e papeis", desejamos discutir o papel do lúdico em nossa sociedade, verificar suas representações possíveis, e compreender o impacto das disputas de narrativas percebidas no imaginário de quem concebe, fomenta e joga os jogos, em compasso com o momento em que hoje vivemos.

Sejam todos bem vindos.

Ludus Magisterium


ENVIO DE COMUNICAÇÕES ACADÊMICAS

_____

Envio de comunicações acadêmicas

Eixos temáticos

O tema deste ano abre diversos caminhos teóricos de investigação crítica e de caráter interdisciplinar, quanto ao tratamento do jogo nos espaços educativos a fim de fomentar a apropriação de saberes e modos de agir. Assim, são propostos os seguintes eixos temáticos para as apresentações de trabalhos, na forma de comunicações orais de 20 minutos:

1. Jogos, representatividade e construção identitária

2. Experiência do jogar em mundo plural

3. Os desafios no desenvolvimento de jogos pedagógicos

Normas para submissão de trabalhos

_____

a. As propostas de comunicação deverão se estruturar em um resumo. Cada participante só poderá apresentar comunicação de um trabalho em aprovado em autoria ou co-autoria, independentemente do número de trabalhos recebidos pelo evento.

b. Orientadores podem constar como co-autores de mais de um trabalho, mas devem seguir a regra de apenas uma apresentação de trabalho entre as comunicações. Recomenda-se que o orientando seja sempre privilegiado na apresentação.

c. O texto do resumo deve ter de 250 a 500 palavras e ser apresentado em formato Word (.doc; docx), com espaçamento simples, fonte Times New Roman, 12.

d. Deverá conter de 3 a 5 palavras-chave e precedido por título (em negrito e centralizado); eixo temático proposto; nome do autor e co-autores; instituição/área de atuação; correio eletrônico, alinhados à direita.

e. Abaixo do resumo e das palavras-chave, o autor deverá indicar as três referências bibliográficas principais de seu trabalho.

f. O arquivo com a proposta de comunicação deve ser enviado para o endereço eletrônico sfjerj@gmail.com até às 23h59 do dia 30 de setembro de 2019. O arquivo precisa ser nomeado com o título e número do eixo pretendido (exemplo: Jogos e identidades – eixo 1).

g. No dia da apresentação, o autor poderá levar arquivo para projeção, em formato Power Point (.ppt; .pptx), salvo em pendrive, para sua exposição, ou mesmo seu computador pessoal. A organização do evento se exime de qualquer responsabilidade sobre problemas ou falhas técnicas que comprometam o uso do arquivo.

Observações finais:

- Os resumos serão avaliados pelo Comitê Científico do evento (abaixo), e poderá aprovar, aprovar com restrições (nesse caso, será pedido revisão do resumo, ou reprovar). A palavra do Comitê é soberana e não há possibilidades de recorrências ou alterações.
- Todos os autores com trabalhos aprovados para apresentação receberão certificado de participação.
- Os trabalhos selecionados serão organizados e disponibilizados em formato digital nos anais do evento até seis meses após a realização da apresentação. O dia e horário para apresentação do trabalho será apresentado na programação do evento.

Comitê científico:
_____

  • Profa. Dra. Taís Pereira (Coord. Pós Graduação em Filosofia / CEFET)
  • Profa. Dra. Carolina Spiegel (UFF/FIOCRUZ)
  • Prof. Dr. Leonardo Costa (microbiologia IFRJ)
  • Profa. Dra. Eliane Bettocchi (UFJF)
  • Profa. Dra. Paula Bandeira (UFRJ)

Palestrantes

  • Eliane Bettocchi
  • Tami Bógea
  • Daniel de Sant'anna Martins
  • Igor Moreno
  • Pedro Marins
  • Jorge Valpaços
  • Pedro Vitiello
  • Geraldo Xexéo
  • Leonardo Emanuel de Oliveira Costa
  • Os Lucios
  • Arnaldo V Carvalho
  • Ian de Souza
  • Max de Carvalho
  • Suellen de Oliveira
  • Renata Palheiros
  • Ralph Gomes
  • Jorge Jacoh
  • Luciano Bastos
  • Thiago Camargo
  • Sanderson Gomes
  • Andreza Farias
  • Valter Bispo
  • Pedro Barboza
  • Marcio Rolla
  • Leo Ramos
  • Jeferson Antunes
  • Rodrigo Ferreira
  • Jorge Luis Rocha
  • Taís Pereira
  • Carolina Spiegel
  • Paula Piccolo

Programação

07h30 Inscrições e Chegada Credenciamento
Local: Sala 1, Sala 2, Sala 3, Auditório
09h30 Intervalo Intervalo
Local: Livre
10h00 Comunicações Acadêmicas Apresentação de Artigos
Comunicações Acadêmicas
Local: Sala 1, Sala 2, Sala 3, Sala 4

Essa é a hora de você brilhar! Envio um resumo de seu trabalho acadêmico seguindo as instruções de submissão de nosso site, e venha apresentar-se! O resumo fará parte dos anais do Simpósio e serão publicados com ISSN.

11h00 - Tami Bógea, Igor Moreno, Daniel de Sant'anna Martins Mesa 2: Gamificação e seus Diferentes Sentidos no ambiente de ensino Mesa-redonda
Local: Auditório

Gameficar é diferente de ludificar? Quais processos podem ser usados para emancipar o educando e quais processos podem ser contraproducentes? Por que precisamos de clareza quanto ao sentido do que está sendo trabalhado e, principalmente, em como será trabalhado?

11h00 - Pedro Vitiello, Pedro Marins, Jorge Valpaços Mesa 3: Jogos e narrativas Mesa-redonda
Local: Sala 1

Mesa 3: Jogos e narrativas
Como podemos entender as estratégias ludificadas pela narrativa? Narramos histórias desde o início de nossa civilização, então por que não utilizamos nossa habilidade como forma de ensino-aprendizagem? Qual é o diferencial dos jogos narrativos? Jogar e narrar são a mesma coisa?

14h00 - Leonardo Emanuel de Oliveira Costa, Geraldo Xexéo, Os Lucios Mesa 4: O jogo analógico em tempos digitais Mesa-redonda
Local: Auditório

Mesa 4: O jogo analógico em tempos digitais
Há espaço para o jogo analógico hoje? Há diferença no ato de jogar quando usamos diferentes meios/mídias? Que tipos de estratégias podemos pensar na sensibilização o indivíduo no uso do jogo analógico?

14h00 - Arnaldo V Carvalho, Ian de Souza, Max de Carvalho Mesa 5: Democracia, acesso e jogos Mesa-redonda
Mesa 5: Democracia, acesso e jogos
Local: Sala 1

A cultura do jogo é elitista? Deve ser? Quem acessa o jogo? A quem ele serve? Os jogos produzem efeitos no pensamento democrático? A mesa inaugura um debate novo no mundo do jogo de tabuleiro, amadurecendo a prática educacional para uma reflexão socio-política fundamental.

16h00 Intervalo Intervalo
Local: Livre
16h30 - Sanderson Gomes, Valter Bispo, Andreza Farias Mesa 6: Jogos: O gênero, o étnico e o ético Mesa-redonda
Local: Auditório

Jogos são impessoais ou representativos? Como um jogo pode ser eticamente responsável? Ter elementos de diferentes etnias é condição suficiente para representar indivíduos historicamente oprimidos? Como pensar um jogo capaz de emancipar e empoderar jovens em situação de opressão e risco social?

16h30 - Renata Palheiros, Suellen de Oliveira, Pedro Barboza Mesa 7: Jogo como produto educacional: metodologias e avaliações Mesa-redonda
Local: Sala 1

Como devemos produzir e avaliar o jogo enquanto um elemento presente no cotidiano escolar? Ao incluir no planejamento como podemos pensar as avaliações? Qual dinâmica podemos levar em consideração em relação ao nosso planejamento? É possível avaliar atividades lúdicas de caráter subjetivo?

Conferência de abertura

Eliane Bettocchi: "Pode o subalterno jogar?"

Inspirada pela pergunta de Gayatri Spivak, Pode o subalterno falar?, uma mulher negra indaga-se sobre o estado da arte da representatividade não branca, não masculina, não normativa, não ocidental nos jogos narrativos contemporâneos.

Às 08h00 - Auditório

Oficina1: Criação de Jogos de tabuleiro modernos para as humanidades:  possibilidades para uma educação lúdica

Com Luciano Bastos! possibilidades de apropriação e recriação lúdicas para educação podem orientar atividades, trabalhos e projetos educacionais para as disciplinas de filosofia, sociologia e história. Esse espaço de trocas e aprendizado tenta construir e apresentar possibilidades para professores.

 

Às 14h00 - Sala 2

Oficina 2: A Literatura pelo Olhar dos Jogos

com Thiago Camargo

Pode um jogo contar uma história? 

Mas qual a diferença entre a maneira como uma história é contada através da literatura, para a maneira como esta história é contada por um jogo?

"A Literatura pelo olhar dos Jogos" é uma oficina teórico prática que visa apresentar estratégias de transposições de linguagens entre uma narrativa literária e uma ludonarrativa. São estratégia que já foram utilizadas em ambientes educacionais interdisciplinares e que pretende-se reviver com os participantes.

Às 14h00 - Sala 3
07h30 Recepção e Café Coffee break
Local: Livre
08h00 Comunicações acadêmicas Apresentação de Artigos
Comunicações acadêmicas
Local: Auditório, Sala 1, Sala 2

Essa é a hora de você brilhar! Envio um resumo de seu trabalho acadêmico seguindo as instruções de submissão de nosso site, e venha apresentar-se! O resumo fará parte dos anais do Simpósio e serão publicados com ISSN.

09h00 Intervalo Intervalo
Local: Livre
09h30 - Leo Ramos, Marcio Rolla, Jeferson Antunes Mesa 8 Divulgação Cientifica Através do Lúdico Mesa-redonda
Local: Auditório

A ciência brinca? Como o aprendizado científico pode ser lúdico e eficiente? Quais experiências lúdicas, na divulgação científica, podemos usar de exemplo para nossas salas de aula? É possível conciliar informação científica com interesse lúdico?

09h30 - Ralph Gomes, Jorge Luis Rocha, Rodrigo Ferreira Mesa 9: Os jogos e as disciplinas escolares Mesa-redonda
Local: Sala 1

Como se dá a dinâmica entre o jogo e a escola? Jogo e cultura de jogo na escola: como podemos construir? O jogo é de uso exclusivo da educação física escolar? Como podemos promover uma interdisciplinaridade através dos diversos tipos de jogos disponíveis?

Oficina 3: CardGame na Educação

É possível utilizar Trade Card Games em sala? E se fosse possível utilizar as mecânicas de troca características destes jogos para estimular o desenvolvimento de valores e práticas inovadoras entres os alunos e professores? Pretendemos aqui debater a abrangência e as possíveis práticas aplicadas diretamente in loco e com a participação de toda a comunidade escolar. Em seguida os oficineiros colocarão os conhecimentos em prática experimentando o jogar e suas possibilidades interacionais.

 

Às 08h00 - Sala 3

Mesa de Encerramento: O Jogo e o jogar no Século XXI

Pode-se dizer com alguma segurança que o século XXI é o século dos jogadores: sejam os jogos eletrônicos ou analógicos, um número considerável de pessoas investe tempo nesta atividade pelo simples prazer de fazê-lo. No entanto, esta afirmação diz pouco a respeito da experiência de jogar como uma questão que vá além do entretenimento e consumo. Resgatar o jogo enquanto prática é importante não apenas para entender este momento, mas especialmente para nos compreender enquanto agentes de cultura e de conhecimento através do lúdico.

Às 11h30 - Auditório

Local

CEFET - Centro Federal de Educação Tecnológica - 20271-110, Avenida Maracanã 229, Maracanã, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

Este evento não conta com apoios financeiros. Precisamos de seu apoio!

Organizador

Ludus Magisterium

Somos um coletivo de pesquisadores de jogos na educação. Ludus foi criado no Rio de Janeiro mas tem membros de todo o país.