Semana de Engenharias Elétrica e Eletrônica

Semana de Engenharias Elétrica e Eletrônica

Faça sua inscrição
De 5 a 9 de junho Todos os dias das 08h às 12h
São Cristóvão, SE Auditório da reitoria da Universidade Federal de Sergipe

Sobre o Evento

A semana de Engenharia elétrica é um evento realizado pelo Centro Acadêmico de Engenharia Elétrica e Eletrônica – CAENGEL e o Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Sergipe. O evento é uma oportunidade de aproximar estudantes das Engenharias Elétrica e Eletrônica e áreas afins com profissionais da área, como forma de relacionar o ambiente acadêmico e o ambiente do mercado de trabalho, através de uma semana dedicada a palestras,minicursos e visitas técnicas.

O principal objetivo do evento é fornecer aos alunos da graduação uma discussão atual sobre temas importantes para sua formação como Engenheiro e uma oportunidade de disseminar as experiências de pesquisadores, professores, empresários e profissionais da área.

Este ano o evento será realizado nos dias 5,6,7 e 8 de Junho e, além de atender o objetivo das edições anteriores, oferecerá mais atividades que possibilitem maior integração e contato entre os estudantes e profissionais.

O evento possui certificado de 12 Horas de palestras somadascom a quantidade de horas dos minicursos que o participantes se inscrever.

Palestrantes

  • Mauro Augusto da Rosa
  • Rogério Patrício Chagas do Nascimento
  • Márcio Alencar
  • José Gilmar Nunes Carvalho Filho
  • Marcos Vinícius Santana Campos
  • Raíssa Bezerra Rocha

Programação

08h00 Abertura Abertura
Local: Auditório da reitoria

Será realizada a abertura do evento com os devidos agradecimentos e informações gerais.

08h20 Mesa-redonda Mesa-redonda
Local: Auditório da reitoria

Mesa redonda com profissionais do setor elétrico e eletrônico sobre as perspectivas de mercado.

09h50 Intervalo Intervalo
Local: Auditório da reitoria

Intervalo para coffee break e networking entre os participantes.

10h00 - José Gilmar Nunes Carvalho Filho Automação e IoT na produção de cerveja artesanal Palestra
Local: Auditório da reitoria

Será apresentada uma breve descrição do processo de produção de cerveja artesanal. Na sequência, serão abordados alguns dos principais desafios dessa indústria, focando naqueles que envolvem automação de processos. Por fim, será apresentado um exemplo prático da utilização de conceitos de automação e IoT no controle e monitoramento da fermentação e maturação de cervejas artesanais.

11h00 - Marcos Vinícius Santana Campos Impacto da Geração Distribuída no Sistema Elétrico Palestra
Local: Auditório da reitoria

O uso de fontes alternativas de energia e de pequenas fontes em geração distribuída (GD), tornou-se uma realidade no cenário nacional, especialmente com a nova legislação brasileira que agora considera esta possibilidade. Considerando os casos de já conectados, serão abordados aspectos relacionados a qualidade do produto, como níveis de tensão, perdas técnicas de energia e níveis de curto-circuito, com a entrada de GD´s no Sistema Elétrico de Potência (SEP), além do estágio atual das GD´s na área de concessão da Energisa Sergipe e expectativa de crescimento.

14h00 Minicurso - Microcontroladores PICs 8bits – Programação e Simulação. Minicurso
Local: Sala do SEMA

Capítulo 1 - MICROCONTROLADOR PIC16F887 ? Características básicas do PIC16F887 ? Alimentação de um PIC16F887 ? Portas de entrada/saída.

Capítulo 2 - PERIFÉRICOS BÁSICOS ? Diodo LED, buzzer, chaves e Teclas ? Entradas digitais com opto acoplador ? Display de sete segmentos ? Controle com relés

 CAPÍTULO 3 - PRINCIPIOS BÁSICOS DO PROTEUS ? Montagem de circuitos com o PROTEUS VSM ? Desenhando o circuito ? Edição de propriedades dos objetos ? Simulação do projeto ? Exercícios de simulação com Proteus

CAPÍTULO 4 - Compilador MIKRO C PRO para PIC ? Instalação do mikroC PRO for PIC ? IDE do Compilador mikroC PRO for PIC ? Exercícios de simulação com Proteus

CAPÍTULO 5 - Programando em Linguagem C ? Princípios de programação ? Operadores a ritméticos, atribuição, relacionais, lógicos ? Controle de fluxo, if, if-elese, switch-case, ? Instruções de repetição, while, do – while, for ? Funções

14h00 Minicurso - Projeto e Confecção de placas por termotransferencia utilizando multisim e ultiboard Minicurso
Local: Departamento de Engenharia Elétrica

O minicurso, totalmente prático, está dividido em 2 partes. Na primeira, serão abordadas as ferramentas para projeto de circuitos impressos Multisim e Ultiboard. Construiremos o diagrama elétrico de um circuito e seu layout para a placa. Na segunda parte, aprenderemos o método de confecção por termotransferência, com diversas dicas sobre materiais, processos e como melhorar o acabamento e a definição de trilhas da placa.

08h00 Apresentação do mestrado Exposição
Local: Auditório da reitoria

Apresentação das teses de mestrado desenvolvidas pelos alunos de pós-graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Sergipe.

09h30 Intervalo Intervalo
Local: Auditório da reitoria

Intervalo para coffee break e networking entre os participantes.

09h50 Apresentação Irradiar Exposição
Local: Auditório da reitoria

Apresentação Irradiar

10h00 Apresentação do mestrado Exposição
Local: Auditório da reitoria

Apresentação das teses de mestrado desenvolvidas pelos alunos de pós-graduação em Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Sergipe.

11h00 - Márcio Alencar Nanocristais de Óxido de Ítrio Dopados com Íons de Terras Raras para termometria e aquecimento óptico em nanoescala Palestra
Local: Auditório da reitoria

Termometria luminescente baseada em nanomateriais dopados com terras-raras tem sido intensamente investigada visando sua aplicação na investigação de fenômenos físicos, químicos e biológicos em nanoescala. Dentre as diferentes abordagens propostas, a razão de intensidade de luminescência (RIF) é um método muito versátil que permite o desenvolvimento de sensores de temperatura baseados em diferentes íons e hospedeiros. Esta metodologia explora a mudança com a temperatura das intensidades de luminescência de duas linhas de emissão, que estão associadas a transições radiativas de um nível de energia mais alto para um nível com menor energia. A sensibilidade obtida usando este método está fortemente relacionada com a diferença de energia entre os níveis de emissão e a faixa de operação de temperatura que o sensor será empregado. Nessa palestra, apresentaremos um resumo com os principais resultados obtidos em nosso grupo sobre sensoriamento de temperatura e aquecimento óptico explorando nanocristais de ítria (Y2O3) dopados com terras raras. Inicialmente, analisamos sensoriamento de temperatura e aquecimento ópticos usando nanocristais de Y2O3 dopados com íons de érbio, térbio e európio. Em seguida, investigamos a influência do tamanho dos nanocristais na sensibilidade dos nanossensores de temperatura, constituídos de partículas de Y2O3 dopadas com érbio. Por fim, propomos uma nova metodologia de sensoreiamento de temperatura, usando a luminescência associada a diferentes pares de subníveis Starks termicamente acoplados de íons érbio visando nanosensores de temperatura otimizados.

14h00 Minicurso - Microcontroladores PICs 8bits – Programação e Simulação. Minicurso
Local: Sala do SEMA

Capítulo 1 - MICROCONTROLADOR PIC16F887 ? Características básicas do PIC16F887 ? Alimentação de um PIC16F887 ? Portas de entrada/saída.

Capítulo 2 - PERIFÉRICOS BÁSICOS ? Diodo LED, buzzer, chaves e Teclas ? Entradas digitais com opto acoplador ? Display de sete segmentos ? Controle com relés

 CAPÍTULO 3 - PRINCIPIOS BÁSICOS DO PROTEUS ? Montagem de circuitos com o PROTEUS VSM ? Desenhando o circuito ? Edição de propriedades dos objetos ? Simulação do projeto ? Exercícios de simulação com Proteus

CAPÍTULO 4 - Compilador MIKRO C PRO para PIC ? Instalação do mikroC PRO for PIC ? IDE do Compilador mikroC PRO for PIC ? Exercícios de simulação com Proteus

CAPÍTULO 5 - Programando em Linguagem C ? Princípios de programação ? Operadores a ritméticos, atribuição, relacionais, lógicos ? Controle de fluxo, if, if-elese, switch-case, ? Instruções de repetição, while, do – while, for ? Funções

14h00 Minicurso - Comandos elétricos Minicurso
Local: Laboratório de Máquinas Elétricas- Departamento de Engenharia Elétrica

Comandos elétricos ou acionamentos elétricos é uma disciplina que lida com projetos de circuitos elétricos para o acionamento de máquinas elétricas. A formação nesta disciplina visa conhecer e dimensionar os principais dispositivos de comando e proteção utilizados nestes circuitos, ler e interpretar os circuitos de comandos de máquinas elétricas e conhecer os principais métodos de acionamento destas máquinas.

14h00 Minicurso - Projeto e Confecção de placas por termotransferencia utilizando multisim e ultiboard Minicurso
Local: Departamento de Engenharia Elétrica

O minicurso, totalmente prático, está dividido em 2 partes. Na primeira, serão abordadas as ferramentas para projeto de circuitos impressos Multisim e Ultiboard. Construiremos o diagrama elétrico de um circuito e seu layout para a placa. Na segunda parte, aprenderemos o método de confecção por termotransferência, com diversas dicas sobre materiais, processos e como melhorar o acabamento e a definição de trilhas da placa.

14h00 Minicurso - Python Minicurso
Local: Departamento de Engenharia Elétrica

Python é uma linguagem de programação de alto nível, interpretada, de script, imperativa, orientada a objetos, funcional, de tipagemdinâmica e forte. Atualmente possui um modelo de desenvolvimento comunitário, aberto e gerenciado pela organização sem fins lucrativos Python Software Foundation. Apesar de várias partes da linguagem possuírem padrões e especificações formais, a linguagem como um todo não é formalmente especificada. 

Python é uma linguagem de propósito geral de alto nível, multi paradigma, suporta o paradigma orientado a objetos, imperativo, funcional e procedural. Possui tipagem dinâmica e uma de suas principais características é permitir a fácil leitura do código e exigir poucas linhas de código se comparado ao mesmo programa em outras linguagens. Devido às suas características, ela é principalmente utilizada para processamento de textos, dados científicos e criação de CGIs para páginas dinâmicas para a web. Foi considerada pelo público a 3ª linguagem "mais amada", de acordo com uma pesquisa conduzida pelo site Stack Overflow em 2018, e está entre as 5 linguagens mais populares, de acordo com uma pesquisa conduzida pela RedMonk.

Alguns dos maiores projetos que utilizam Python são o servidor de aplicação Zope, o compartilhador de arquivos Mnet, o site YouTube e o cliente original do BitTorrent. Grandes organizações que usam a linguagem incluem Google (parte dos crawlers), Yahoo! (para o sítio de grupos de usuários) e NASA. O sistema de gerenciamento de reservas da Air Canada também usa Python em alguns de seus componentes.A linguagem também tem bastante uso na indústria da segurança da informação.

A linguagem tem sido embarcada como linguagem de script em diversos softwares, como em programas de edição tridimensional como Maya, Autodesk Softimage, TrueSpace e Blender. Programas de edição de imagem também a usam para scripts, como o GIMP. Para diversos sistema operacionais a linguagem já é um componente padrão, estando disponível em diversas distribuições Linux. O Red Hat Linux usa Python para instalação, configuração e gerenciamento de pacotes.

Outros exemplos incluem o Plone, sistema de gerenciamento de conteúdo desenvolvido em Python e Zope e a Industrial Light & Magic, que produz filmes da série Star Wars usando extensivamente Python para a computação gráfica nos processos de produção dos filmes.

08h00 - Raíssa Bezerra Rocha Telefonia Celular Digital: princípios e evolução Palestra
Local: Auditório da reitoria

Palestra 6

09h00 Conhecendo o CREAjr: Protagonismo do estudante de engenharia e a formação além da sala de aula em defesa da sociedade Palestra
Local: Auditório da reitoria

A formação de um engenheiro é marcada pela multidisciplinaridade generalista do currículo profissional. Isto se dá pela necessidade de formar alguém que tenha tanto a capacidade de formular uma opinião sobre um fato social, quanto de resolver um complexo problema físico-matemático para solucionar situações adversas no campo prático das ciências tecnológicas.
Nesse contexto de FORMAÇÃO, uma grande novidade que vem ajudando os acadêmicos de Engenharia e demais áreas das ciências tecnológicas a melhorar sua capacidade de gestão, liderança e trabalho em equipe é o Programa CREA Jr, que é um Programa dos CREAs (Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia) de todo o país e reconhecido pelo CONFEA (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia).

10h00 Intervalo Intervalo
Local: Auditório da reitoria

Intervalo para coffee break e networking entre os participantes.

10h20 - Rogério Patrício Chagas do Nascimento Meu papel no uso das Tecnologias para tornar as Cidades Inteligentes Palestra
Local: Auditório da reitoria

A partir da crescente concentração da população em centros urbanos, do surgimento da Indústria 4.0, da Internet das Coisas (IoT), do Big Data e, principalmente, da necessidade de soluções sustentáveis para o uso de recursos ambientais e econômicos, urge a utilização de arquiteturas abertas de software para a Internet do Futuro em conjunto com dados abertos que funcionem em diferentes plataformas e conectem-se a grandes bases de dados públicas (OCDE, INEP, IBGE, INPE, NASA, dados.gov.br, entre outros). Também se faz necessário que soluções invoadoras possam comunicar com diversos dispositivos ubíquos privados (sensores de monitoramento urbano, câmeras IP, celulares, relógios inteligentes, etc.). Nesta palestra, pretende-se mostrar possíveis oportunidades de criação de dispositivos de IoT, produtos e serviços de software que conversem uns com os outros, cooperem entre si e com os humanos, em tempo real, gerando e consumindo dados transparentes (via Open Data) entre Sistemas de Computação conectados em rede, na nuvem, via Web ou App, para a disponibilização de serviços e aplicações verticais direcionados aos gestores e clientes dos principais pilares de uma Cidade Inteligente (CI): governança, educação, saúde, segurança, ?mobilidade urbana, meio ambiente, fontes de energia, água, arquitetura e urbanismo, entre outros.

11h15 - Mauro Augusto da Rosa Estratégias de Análise de Performance para Sistemas de Distribuição de Energia Elétrica. Palestra
Local: Auditório da reitoria

A avaliação do desempenho de um Sistema de Distribuição (SD) pelas distribuidoras é amparada, sobretudo, pela observação de indicadores de continuidade, que exprimem a capacidade do sistema em atender a demanda, e medições da qualidade de energia, que traduzem a habilidade do sistema em preservar uma onda de tensão adequada. Também as técnicas para simular o desempenho de um SD, de entre as quais se destaca a Simulação Sequencial de Monte Carlo (SSMC), tradicionalmente dividem a avaliação em adequação e segurança. A adequação se relaciona com a capacidade em entregar de forma contínua uma onda de tensão, ou seja, avalia o problema da continuidade, enquanto o escopo da segurança está associado á forma como o sistema responde às perturbações dinâmicas e transitórias, ou seja, relacionado com a qualidade da energia. Habitualmente não só estas avaliações são realizadas separadamente, como o conceito de confiabilidade está principalmente associado à continuidade. Contudo, a diversidade atual de cargas e fontes de energia, por um lado mais sensíveis a variações de tensão, e por outro, capazes de induzir fenômenos indesejados na forma de onda de tensão, exige que a avaliação da confiabilidade de um SD seja mais ampla, integrando aspectos de continuidade e qualidade de energia, para que a avaliação da confiabilidade traduza a robustez de um SD, tornando-a mais aderente às necessidades atuais. Entretanto, para isso é necessário modelar aspectos relacionados com a forma de onda de tensão, assim como as causas e fenômenos que prejudicam a manutenção da tensão nominal. As causas de desligamento e os tipos de falta precisam ser caracterizados, para que o curto-circuito que resulta de uma falta possa ser integrado na avaliação e o seu impacto na distorção da tensão seja estudado. Para que índices de qualidade de energia possam ser estimados, os vários fenômenos que distorcem a tensão, assim como as características dos equipamentos que as causam precisam ser investigados e modelados. Este trabalho propõe revisitar a modelagem tradicional da interrupção em estudos de confiabilidade e apresentar novas estratégias para análise, representando o curto-circuito no framework de avaliação, o que permitirá encontrar distorções na forma de onda de tensão e ampliar o escopo da SSMC para estimar não apenas índices de continuidade, mas também índices de qualidade de energia.

14h00 Minicurso - Microcontroladores PICs 8bits – Programação e Simulação. Minicurso
Local: Sala do SEMA

Capítulo 1 - MICROCONTROLADOR PIC16F887 ? Características básicas do PIC16F887 ? Alimentação de um PIC16F887 ? Portas de entrada/saída.

Capítulo 2 - PERIFÉRICOS BÁSICOS ? Diodo LED, buzzer, chaves e Teclas ? Entradas digitais com opto acoplador ? Display de sete segmentos ? Controle com relés

 CAPÍTULO 3 - PRINCIPIOS BÁSICOS DO PROTEUS ? Montagem de circuitos com o PROTEUS VSM ? Desenhando o circuito ? Edição de propriedades dos objetos ? Simulação do projeto ? Exercícios de simulação com Proteus

CAPÍTULO 4 - Compilador MIKRO C PRO para PIC ? Instalação do mikroC PRO for PIC ? IDE do Compilador mikroC PRO for PIC ? Exercícios de simulação com Proteus

CAPÍTULO 5 - Programando em Linguagem C ? Princípios de programação ? Operadores a ritméticos, atribuição, relacionais, lógicos ? Controle de fluxo, if, if-elese, switch-case, ? Instruções de repetição, while, do – while, for ? Funções

14h00 Reconhecimento de padrões - Introdução as redes neurais artificiais Minicurso
Local: Departamento de Engenharia Elétrica

Os trabalhos com Redes Neurais Artificiais foram desenvolvidos com base na noção de que o cérebro humano processa informações de uma maneira completamente diferente do realizado pelo computador digital convencional. Inspiradas no funcionamento dos neurônios e do cérebro humano, as redes neurais são sistemas capazes de "aprender", podendo ser empregados para o reconhecimento de padrões nos dados que recebe. Esses dados, empregados nas entradas das redes neurais, variam de acordo com cada aplicação, podendo ser imagens, sinais em forma de ondas (como voz, luz, rádio, rede elétrica) ou qualquer outro tipo de medida que necessite ser classificada.

Esse minicurso pretende apresentar uma perspectiva introdutória às redes neurais artificiais, por meio de uma perspectiva teórico-prática, onde serão utilizados exemplos computacionais aliados ao estudo teórico, visando um entendimento aplicado da teoria básica de redes neurais. As ultimas horas do minicurso serão dedicadas à aplicação dos conteúdos aprendidos no curso em um problema que exemplifique, de maneira simples, a implementação prática de redes neurais.

08h00 Visita técnica - Aeroporto Visita técnica
Local: Aeroporto de Aracaju

Será realizada uma visita na torre de comando do Aeroporto de Aracaju. A visita ocorrerá a torre de comando e a casa de força (KF).

Por exigência da aeronáutica só será permitido acesso ao local com o uso de bota e calça. Pessoas que não cumpram esse item não poderão participar da visita.

torre de controle é uma parte do aeródromo responsável pelo controle de tráfego aéreo nas proximidades deste aeródromo. Costuma ser a estrutura mais alta de um aeroporto, sendo que a sua altura pode variar entre alguns poucos metros a várias dezenas de metros. Ela possui esta altura de acordo com a sua necessidade de visão das áreas cujo controle aéreo ela efetua, seja em terra ou no ar. Formalmente a Torre de Controle presta o denominado Serviço de Controle de Aeródromo além dos Serviço de Alerta e Serviço de Informações de Voo. O serviço de controle de aeródromo é prestado quando num aeródromo existe torre de controle e relativo a aeródromos, pode haver diversos tipos de operação:

08h00 Visita técnica - Subestação da UFS 8hrs Visita técnica
Local: Subestação da Universidade Federal de Sergipe

Uma subestação é uma instalação elétrica de alta potência, contendo equipamentos para transmissão e distribuição de energia elétrica, além de equipamentos de proteção e controle .

Funciona como ponto de controle e transferência em um sistema de transmissão de energia elétrica, direcionando e controlando o fluxo energético, transformando os níveis de tensão e funcionando como pontos de entrega para consumidores industriais.

Ao fim de 2017 foi inaugurada a Subestação de 69kV/13,8kV e realizada a Reforma/Recondutoramento da Rede de Distribuição Interna e Instalações em baixa tensão do Campus de São Cristóvão.

Essa obra compreende a instalação de:

• 02 (Dois) Transformadores de Força com isolamento a óleo, com Transformador de Corrente (TC) de bucha 100/5 A, 5 MVA, relação de transformação 69/13,8 kV, com TC de neutro 15 kV - 100/5 A, com Painel de Proteção, com relé SEL 387 A com atuação sobre o disjuntor de proteção geral;

• 03 (três) TPs de medição da concessionária, que serão por ela fornecidos;

• 03 (três) TCs de medição da concessionária, que serão por ela fornecidos;

• 03 (três) Transformadores de Potencial 72,5 kV (proteção);

• 03 (três) Transformadores de Corrente 72,5 kV, relações 200:5, 100:5 (proteção);

• 03 (três) para-raios 72,5 kV/10 kA;

• 01 (uma) Chave Seccionadora Tripolar 630 A/25 kA, acionamento elétrico/manual, com lâmina de aterramento;

• 01 (um) Painel de Proteção Geral de Fronteira com relé de proteção secundária SEL 351-7;

• 01(uma) Chave seccionadora tripolar com acionamento manual 630 A/25 kA;

• 02 (dois) resistores de aterramento de 20 Ohms, 7,9 kV, 400A- 10s;

• Na ligação dos resistores serão instalados TC - 15 kV, 100/5 A.

08h00 Reconhecimento de padrões - Introdução as redes neurais artificiais Minicurso
Local: Departamento de Engenharia Elétrica

Os trabalhos com Redes Neurais Artificiais foram desenvolvidos com base na noção de que o cérebro humano processa informações de uma maneira completamente diferente do realizado pelo computador digital convencional. Inspiradas no funcionamento dos neurônios e do cérebro humano, as redes neurais são sistemas capazes de "aprender", podendo ser empregados para o reconhecimento de padrões nos dados que recebe. Esses dados, empregados nas entradas das redes neurais, variam de acordo com cada aplicação, podendo ser imagens, sinais em forma de ondas (como voz, luz, rádio, rede elétrica) ou qualquer outro tipo de medida que necessite ser classificada.

Esse minicurso pretende apresentar uma perspectiva introdutória às redes neurais artificiais, por meio de uma perspectiva teórico-prática, onde serão utilizados exemplos computacionais aliados ao estudo teórico, visando um entendimento aplicado da teoria básica de redes neurais. As ultimas horas do minicurso serão dedicadas à aplicação dos conteúdos aprendidos no curso em um problema que exemplifique, de maneira simples, a implementação prática de redes neurais.

10h00 Visita técnica - Subestação da UFS 10hrs Visita técnica
Local: Subestação da Universidade Federal de Sergipe

Uma subestação é uma instalação elétrica de alta potência, contendo equipamentos para transmissão e distribuição de energia elétrica, além de equipamentos de proteção e controle .

Funciona como ponto de controle e transferência em um sistema de transmissão de energia elétrica, direcionando e controlando o fluxo energético, transformando os níveis de tensão e funcionando como pontos de entrega para consumidores industriais.

Ao fim de 2017 foi inaugurada a Subestação de 69kV/13,8kV e realizada a Reforma/Recondutoramento da Rede de Distribuição Interna e Instalações em baixa tensão do Campus de São Cristóvão.

Essa obra compreende a instalação de:

• 02 (Dois) Transformadores de Força com isolamento a óleo, com Transformador de Corrente (TC) de bucha 100/5 A, 5 MVA, relação de transformação 69/13,8 kV, com TC de neutro 15 kV - 100/5 A, com Painel de Proteção, com relé SEL 387 A com atuação sobre o disjuntor de proteção geral;

• 03 (três) TPs de medição da concessionária, que serão por ela fornecidos;

• 03 (três) TCs de medição da concessionária, que serão por ela fornecidos;

• 03 (três) Transformadores de Potencial 72,5 kV (proteção);

• 03 (três) Transformadores de Corrente 72,5 kV, relações 200:5, 100:5 (proteção);

• 03 (três) para-raios 72,5 kV/10 kA;

• 01 (uma) Chave Seccionadora Tripolar 630 A/25 kA, acionamento elétrico/manual, com lâmina de aterramento;

• 01 (um) Painel de Proteção Geral de Fronteira com relé de proteção secundária SEL 351-7;

• 01(uma) Chave seccionadora tripolar com acionamento manual 630 A/25 kA;

• 02 (dois) resistores de aterramento de 20 Ohms, 7,9 kV, 400A- 10s;

• Na ligação dos resistores serão instalados TC - 15 kV, 100/5 A.

14h00 Minicurso - Comandos elétricos Minicurso
Local: Laboratório de Máquinas Elétricas- Departamento de Engenharia Elétrica

Comandos elétricos ou acionamentos elétricos é uma disciplina que lida com projetos de circuitos elétricos para o acionamento de máquinas elétricas. A formação nesta disciplina visa conhecer e dimensionar os principais dispositivos de comando e proteção utilizados nestes circuitos, ler e interpretar os circuitos de comandos de máquinas elétricas e conhecer os principais métodos de acionamento destas máquinas.

14h00 Visita técnica - Oi Visita técnica
Local: Rua Lagarto - CENTRO

Será realizada uma visita a sede da Oi em Aracaju situada na Rua Lagarto no Centro.

Por exigência da empresasó será permitido acesso ao local com o uso de tênis e calça. Pessoas que não cumpram esse item não poderão participar da visita.

A Oi é uma concessionária de serviços de telecomunicações do Brasil. É a maior operadora de telefonia fixa e a quarta maior operadora de telefonia móvel do Brasil, sendo também a terceira maior empresa do setor de telecomunicações na América do Sul. "Em setembro de 2015, a empresa possuía, no Brasil, cerca de 72 milhões de Unidades Geradoras de Receitas (UGRs), das a quais cerca de 47 milhões estavam no segmento Móvel Pessoal, 17 milhões no segmento Residencial e 8 milhões no segmento B2B (grandes corporações e PMEs). Atualmente, a Oi ainda conta com mais de 1 milhão de [pontos de acesso à rede] Oi WiFi em todo o Brasil."

14h00 Minicurso - Python Minicurso
Local: Departamento de Engenharia Elétrica

Python é uma linguagem de programação de alto nível, interpretada, de script, imperativa, orientada a objetos, funcional, de tipagemdinâmica e forte. Atualmente possui um modelo de desenvolvimento comunitário, aberto e gerenciado pela organização sem fins lucrativos Python Software Foundation. Apesar de várias partes da linguagem possuírem padrões e especificações formais, a linguagem como um todo não é formalmente especificada. 

Python é uma linguagem de propósito geral de alto nível, multi paradigma, suporta o paradigma orientado a objetos, imperativo, funcional e procedural. Possui tipagem dinâmica e uma de suas principais características é permitir a fácil leitura do código e exigir poucas linhas de código se comparado ao mesmo programa em outras linguagens. Devido às suas características, ela é principalmente utilizada para processamento de textos, dados científicos e criação de CGIs para páginas dinâmicas para a web. Foi considerada pelo público a 3ª linguagem "mais amada", de acordo com uma pesquisa conduzida pelo site Stack Overflow em 2018, e está entre as 5 linguagens mais populares, de acordo com uma pesquisa conduzida pela RedMonk.

Alguns dos maiores projetos que utilizam Python são o servidor de aplicação Zope, o compartilhador de arquivos Mnet, o site YouTube e o cliente original do BitTorrent. Grandes organizações que usam a linguagem incluem Google (parte dos crawlers), Yahoo! (para o sítio de grupos de usuários) e NASA. O sistema de gerenciamento de reservas da Air Canada também usa Python em alguns de seus componentes.A linguagem também tem bastante uso na indústria da segurança da informação.

A linguagem tem sido embarcada como linguagem de script em diversos softwares, como em programas de edição tridimensional como Maya, Autodesk Softimage, TrueSpace e Blender. Programas de edição de imagem também a usam para scripts, como o GIMP. Para diversos sistema operacionais a linguagem já é um componente padrão, estando disponível em diversas distribuições Linux. O Red Hat Linux usa Python para instalação, configuração e gerenciamento de pacotes.

Outros exemplos incluem o Plone, sistema de gerenciamento de conteúdo desenvolvido em Python e Zope e a Industrial Light & Magic, que produz filmes da série Star Wars usando extensivamente Python para a computação gráfica nos processos de produção dos filmes.

08h00 Visita técnica - Marpnet Visita técnica
Local: Marpnet

MarpNet é o maior provedor de internet de Nossa Senhora de Socorro. Um Fornecedor de Acesso à Internet ou Provedor de Serviço Internet (em inglês Internet Service ProviderISP), é uma organização que oferece serviços de acesso, participação ou utilização da Internet. Provedores podem ser organizados de várias maneiras, tanto comercialmente, sem fins lucrativos ou em comunidades. A visita técnica contará com explicações referentes ao uso da fibra ótica (top ein), rotina dentro da área de telecomunicações, manutenção e projetos de redes.

Local

Auditório da reitoria da Universidade Federal de Sergipe - 49100-000, Av. Marechal Rondon, s / n , Rosa Elze, São Cristóvão, Sergipe,

Patrocínio

Organizador

CAENGEL

Somos o centro acadêmico de Engenharia elétrica e eletrônica. A entidade que representa os alunos do departamento de Engenharia elétrica-UFS.