Seminário Violência e Administração de Conflitos

Seminário Violência e Administração de Conflitos

Faça sua inscrição
De 20 a 22 de agosto Todos os dias das 08h às 22h
São Carlos, SP Universidade Federal de São Carlos

Sobre o Evento

O seminário Violência e Administração de Conflitospropõe exercitar o debate ea produção acadêmicada nos temas da violência, segurança pública,administração institucional de conflitos, justiça, punição, buscando interpretar as desigualdades existentes nas práticas sociais nesse campo, em especial as desigualdades raciais. Pesquisadores importantes para aárea estão convidados para compor as conferências emesas redondas. Para osgrupos de trabalhos esperamos receber um número significativo de pesquisadores para elevar a qualidade do debate. Contamos com sua presença! Inscreva-se.

Em 2019 o GEVAC UFSCar completa 10 anos de atividades. É tambémum ano de muitos desafios para a área de pesquisa sobre violência,justiça criminal e prisões dadas as mudanças de orientação nas políticas públicas emnível federal e também nos estados. Propostas de radicalização do uso da violênciainstitucional, desprestígio das políticas de prevenção à violência e justiças alternativas,uma composição legislativa afeita a propostas de cunho punitivista, propostas dealterações penais, crescente militarização da segurança pública e de políticaseducacionais. O seminário se propõe a discutir os desafios atuaisda área e a avançarna construção conjunta de interpretações teóricas das transformações do presente.Procurará também produzir um debate metodológico sobre o fechamento defontes de pesquisa e a animosidade dos novos governos com a produçãoindependente de conhecimento no país. O momento pede a concentração de esforçosem metodologias alternativas e em estratégias criativas para driblar as dificuldades deacesso ao campo. Pede mais do que nunca a cooperação e o intercâmbio entre ospesquisadores associados em rede para lidar com as dificuldades colocadas à pesquisanas instituições de controle do crime e à escassez de financiamento à pesquisa.

O envio de textos para os Grupos de Trabalho será exclusivamene por essedesse site pela aba "MAIS" no topo desta página. Ali pode ser encontrado o edital para a submissão de propostas

Nesse site, você poderá encontrar todas as informações necessárias para a inscrição, participação, datas e programações do seminário. Para maiores informações, entre em contato.

O Seminário Violência e Administração de Conflitos recebe o apoio inestimável de diversas fontes financiadoras.

A FAPESP apoia a presença das palestrantes internacionais e dos convidados das mesas redondas sediados em São Paulo. O CNPq e o INCT-InEAC apoiam palestrantes convidados com recursos destinados à discussão de resultados de projetos de pesquisa. A Fundação Perseu Abramo financia a presença de palestrantes convidados, no âmbito de uma parceria de extensão universitária para cooperação técnico-científica. A Pro-Reitoria de Extensão da UFSCar – Proex financia o transporte de alguns palestrantes. O Instituto Brasileiro de Ciências Criminais oferece apoio logístico para estadia de convidados.

A todas as instituições o nosso agradecimento.

Palestrantes

  • Jacqueline Sinhoretto
  • Natalie Byfield
  • Sergio Adorno
  • Roberto Kant de Lima
  • Angelina Peralva
  • Arthur Trindade Maranhão Costa
  • Christiane Russomano
  • Eduardo Batitucci
  • Felipe Athayde Melo
  • Felipe Zilli
  • Frederico de Almeida
  • Giane Silvestre
  • Haydée Caruso
  • Jacqueline Muniz
  • Juliana Tonche
  • Kátia Sento Sé Mello
  • Liana de Paula
  • Luiz Antônio Bogo Chies
  • Luís Antonio Francisco de Souza
  • Luiz Fábio S. Paiva
  • Marcos César Alvarez
  • Maria Carolina Shlittler
  • Paulo César Ramos
  • Renato Sérgio de Lima
  • Riccardo Cappi
  • Rodrigo Ghiringhelli

Programação

09h00 Reunião de equipe de pesquisa (Fechado) Comissão Organizadora
Local: Auditório do Lidesp
11h00 - Jacqueline Muniz Mini-Curso Violência e Administração de Conflitos: Policiamento e Políticas Públicas Minicurso
Mini-Curso Violência e Administração de Conflitos: Policiamento e Políticas Públicas
Local: A definir

As inscrições serão abertas no dia 01 de Junho de 2019. Em breve mais informações.

14h00 - Jacqueline Sinhoretto Mesa de Abertura Abertura
Mesa de Abertura
Local: Teatro Florestan Fernandes - BCO - UFSCar

O GEVAC está completando 10 anos em 2019 e já tem um balanço de sua produção a oferecer. Foram 19 dissertações e teses, além de artigos, cursos, relatórios, eventos, missões. Esse acúmulo reflete o desenvolvimento teórico do grupo na definição e descrição das estratégias de controle do crime no Brasil contemporâneo, apontado, de um lado o progressivo fortalecimento da estratégia militarizada em detrimento da estratégia clássica. Esta sempre foi caracterizada por deficiências e desigualdades, mas também por ser um espaço de disputa pela consolidação de direitos. Com a mudança nas estratégias de controle do crime é preciso repensar o estudo de temas clássicos como seletividade penal, prisionização, gestão penitenciária, filtragem racial e genocídio negro. De outro lado, é igualmente necessário lançar luz à disputa sobre como exercer o controle do crime nos parâmetros da democracia, observando as justiças alternativas, os novos movimentos sociais por direitos civis e as políticas de prevenção à violência.

17h00 - Giane Silvestre, Luís Antonio Francisco de Souza, Rodrigo Ghiringhelli Estratégias de controle do crime Mesa-redonda
Estratégias de controle do crime
Local: Teatro Florestan Fernandes - BCO - UFSCar

Partindo da formação teórica que orienta as pesquisas do GEVAC, há distintas estratégias de controle do crime disputando concepções, práticas e resultados, porém, aponta-se o predomínio de estratégias de militarização, letalidade, punitivismo e encarceramento massivo no momento contemporâneo. A mesa pretende produzir o debate sobre as estratégias de controle do crime no Brasil atual.

19h30 - Roberto Kant de Lima Conferência de Abertura - Roberto Kant de Lima Conferência
Conferência de Abertura - Roberto Kant de Lima
Local: Teatro Florestan Fernandes - BCO - UFSCar

Em breve mais informações!

09h00 Grupos de Trabalhos Apresentação Oral
Local: Diversos

A data e os locais dos GTs foram definidos, assim como os/as debatedores/as e coordenadores/as. Os participantes podem conferir a tabela completa com local, data e horário das suas apresentações através da aba " MAIS - Sessões de Grupo de Trabalhos".  

 

Data      Grupo de Trabalho                                   Horário                   

Local                  

Coordenador/a              Debatedor/a                       
21/08 GT 1 Encarceramento (Sessão 1) 08h00 as 12h00 Auditório 3 - Biblioteca Comunitária Jorge Leite Júnior Christiane Russomano Freire
21/08 GT 1 Encarceramento (Sessão 2) 08h00 as 12h01 Auditório 2 - Biblioteca Comunitária Felipe Athayde Lins de Melo Luiz Antonio Bogo Chies
21/08 GT 2 Estratégias (Sessão 1) 08h00 as 12h01 Auditório da Filosofia Svetlana Ruseishvili Giane Silvestre
21/08 GT3 Policiamento (Sessão 1) 08h00 as 12h02 Auditório do AT4 Haydée Caruso Maria Carolina Schlittler
21/08 GT4 Justiça Alternativa (Sessão 1) 08h00 as 12h03 Auditório do Lidesp Luana Dias Motta Katia Sento Sé Mello
21/08 GT5 Segurança (Sessão 1) 08h00 as 12h04 Auditório do Deparamento de Sociologia Samira Marzochi Jacqueline Muniz
11h00 - Arthur Trindade Maranhão Costa Mini-Curso Violência e Administração de Conflitos: Medo e Insegurança Minicurso
Mini-Curso Violência e Administração de Conflitos: Medo e Insegurança
Local: A definir

As inscrições serão abertas no dia 01 de Junho de 2019. Em breve mais informações.

14h00 - Felipe Athayde Melo, Luiz Fábio S. Paiva, Marcos César Alvarez, Christiane Russomano Encarceramento e Prisões Mesa-redonda
Encarceramento e Prisões
Local: Teatro Florestan Fernandes - BCO - UFSCar

O crescimento do encarceramento é dos fenômenos mais destacados no campo da segurança pública e da justiça criminal nos últimos anos. Os estudos têm apontado para a seletividade de tipos de crimes e perfis sociais na composição da população carcerária, indicando que este crescimento está assentado em desigualdades sociais. As prisões tem entrado para o debate público em razão da precariedade das suas condições e da violência no interior dos cárceres, mas também em razão de ter se tornado um potente articulador do crime também fora dos muros. Debater essas questões e a fragilidade dos instrumentos de gestão prisional é um dos objetivos dessa mesa, que discutirá também as questões metodológicas da pesquisa sobre prisões. 

17h00 - Maria Carolina Shlittler, Haydée Caruso, Felipe Zilli, Paulo César Ramos Policiamento, desigualdade e relações raciais Mesa-redonda
Policiamento, desigualdade e relações raciais
Local: Teatro Florestan Fernandes - BCO - UFSCar

Os estudos de policiamento no Brasil contemporâneo sofreram uma inflexão importante desde a investigação dos processos de criminalização no âmbito da investigação e do inquérito policial para as prisões em flagrante e abordagens policiais, incluindo o tema da letalidade. Uma recente virada antirracista pode ser verificada no tratamento do tema. Esta mesa pretende discutir as transformações no âmbito do policiamento e da produção de desigualdades em seus resultados, enfatizando os processos de filtragem e a efetividade no controle do crime.

19h30 - Natalie Byfield Conferência Internacional - Natalie Byfield Conferência
Conferência Internacional - Natalie Byfield
Local: Teatro Florestan Fernandes - BCO - UFSCar

Título: Policiamento, coleta de dados, emergência do capitalismo de informação e as novas formas de racialização.

Resumo: A conferência aborda a intesecção dos estudos de policiamento racializada, vigilância e economia política global baseada no capitalismo de informação, para examinar os fatores sociais que geram o policiamento contemporâneo numa era em que os dados são cada vez mais importantes. É baseada no estudo dos tipos de dados coletados pelo policiamento contemporâneo, a relevância das tecnologias de polícia que utilizam coleta e análise de dados - particularmente inteligência artificial - para o desenvolvimento econômico, a importância da categorização e da classificaçao desses dados para o processo de criminalização. O estudo analisa a coleta de dados da Departamento de Polícia de Nova Iorque pelo seu programa de abordagem e busca de 2003 a 2013, quando a polícia coletou dados de aproximadamente cinco milhões de pedestres abordados. Os dados são analisados no contexto das práticas de policiamento e novas estratégias de vigilância do NYPD, bem como das mudanças da economia da cidade de Nova Iorque orientada ao desenvolvimento global.  Pretende-se revelar novas informações sobre os processos contemporâneos de racialização que estão se desdobrando nesta nova era do policiamento. 

 

09h00 Grupos de Trabalhos Apresentação Oral
Local: Diversos

A data e os locais dos GTs foram definidos, assim como os/as debatedores/as e coordenadores/as. Os participantes podem conferir a tabela completa com local, data e horário das suas apresentações através da aba "MAIS - Sessões de Grupo de Trabalhos".

 

Data      Grupo de Trabalho                              Horário                 Local                          Coordenador/a                  Debatedor/a                 
22/08 GT 1 Encarceramento (Sessão 3) 08h00 as 12h00   Auditório 3 - Bibliotéca Comunitária Aline Suelen Pires Liana de Paula
22/09 GT 2 Estratégias (Sessão 2) 08h00 as 12h01 Auditório da Filosofia Fabiana Luci de Oliveira Frederico de Almeida
22/10 GT3 Policiamento (Sessão 2) 08h00 as 12h02 Auditório do AT4 Luiz Fábio Paiva Eduardo Batitucci
22/11 GT4 Justiça Alternativa (Sessão 2) 08h00 as 12h03 Auditório do Lidesp Riccardo Cappi Juliana Tonche
22/12 GT5 Segurança (Sessão 2) 08h00 as 12h04 Auditório do Departamento de Sociologia  Felipe Zilli Arthur Trindade
11h00 - Luiz Antônio Bogo Chies Mini-Curso Violência e Administração de Conflitos: Prisões e Encarceramento Minicurso
Mini-Curso Violência e Administração de Conflitos: Prisões e Encarceramento
Local: A definir

As inscrições serão abertas no dia 01 de Junho de 2019. Em breve mais informações.

14h00 - Juliana Tonche, Riccardo Cappi, Kátia Sento Sé Mello Justiças alternativas Mesa-redonda
Justiças alternativas
Local: Auditório Bento Prado Jr.

As justiças alternativas são formas criativas de administração de conflitos que visam a emancipação, a liberdade e a justiça num momento histórico que se caracteriza pelo predomínio do punitivismo e o militarismo. Quais são as formas alternativas que existem hoje no Brasil, como estão sendo afetadas pelo recrudescimento do discurso contra o crime, quem são seus principais atores, quais seus resultados?

17h00 - Angelina Peralva, Renato Sérgio de Lima, Eduardo Batitucci, Frederico de Almeida Segurança pública e contexto político Mesa-redonda
Segurança pública e contexto político
Local: Auditório Bento Prado Jr.

Nas eleições de 2018 segurança pública foi um tema definidor, ainda que o debate em torno de torno de visões divergentes e alternativas tenha sido incipiente e limitado. Nos primeiros 100 dias de governo destaca-se o "Pacote Anti-Crime" como uma das principais ações, propondo um aprofundamento da inquisitorialidade, do encarceramento e recrudescimento da letalidade policial. Para onde apontam as políticas de segurança nos estados? Como a política nacional tem sido afetada pelo debate sobre segurança pública? Quais são os caminhos possíveis para a disputa política sobre a pauta dos direitos humanos?

19h30 - Sergio Adorno Conferência de encerramento - Sergio Adorno Conferência
Conferência de encerramento - Sergio Adorno
Local: Auditório Bento Prado Jr.

Título: A erosão da ordem pública na contemporaneidade: radicalismos, ódio, crueldade, intolerância


Resumo: A Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) está completando 70 anos. Ao longo e sua história, multiplicaram-se a agenda desses direitos, seus significados, os atores e agências que mobilizam planos de ação diante de diferentes cenários de conflitos. Ao mesmo tempo, dissemina-se, em escala global, toda sorte de radicalismos, ódio, crueldade, intolerância. Como explicar que democracias convivam com as mais graves violações de direitos humanos?

Local

Universidade Federal de São Carlos - 13565-905, Rodovia Washington Luiz, Km 235, Jardim Guanabara , São Carlos, São Paulo,

Financiadores

Organizador

GEVAC

O Grupo de Pesquisa sobre Violência e Administração de Conflitos é ligado ao Departamento e ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar. É um coletivo que reúne pesquisadores em diversos níveis de formação com a finalidade de produzir conhecimento e intervir no debate público. Está cadastrado na Plataforma de Grupos de Pesquisa do CNPq desde sua criação, em 2009.

Os temas de interesse do GEVAC são trabalhados na perspectiva de uma sociologia política dos conflitos e de suas formas de administração, nas seguintes linhas de pesquisa:

1. Políticas de segurança, justiça e penais

2. Conflitos, manifestações de violência e transformações sociais

3. Formas estatais de controle e gestão da violência

4. Segurança Pública, justiça criminal e relações raciais

Nestas linhas, são desenvolvidos projetos de pesquisa sobre violência, suas manifestações em contextos específicos; a compreensão dos fenômenos no contexto global de transformações sociais; as formas estatais de controle e gestão da violência; políticas públicas de segurança e justiça; prisões e políticas penais; formas de administração de conflitos institucionalizadas ou informais; a institucionalização estatal do controle da violência, a judicialização de conflitos e as formas de administração desses conflitos.

O GEVAC participou de vários projetos de pesquisa coletivos, integrando redes nacionais de pesquisa, inclusive em posição de liderança de projetos. É um núcleo associado ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia - Instituto de Estudos Comparados em Administração Institucional de Conflitos - INCT-InEAC.

Além da produção científica, foram formados 5 doutores e 10 mestres, havendo outros em processo de formação. Estudantes de graduação também fazem iniciação científica junto ao grupo, que mantém reuniões abertas periódicas. O GEVAC também desenvolve atividades de extensão universitária, participando de muitos eventos organizados pela sociedade civil, entrevistas para as mídias, assessorias ao poder público, contribuindo para o debate democrático sobre políticas nas áreas da segurança pública, redução de homicídios, controle de armas, redução da letalidade policial, política criminal, política de drogas, encarceramento e sistema prisional, racismo institucional, políticas de prevenção à violência, justiças alternativas, gênero e violência.