Manejo e fisiologia do estresse em plantas

12 de setembro de 2022, 09h30 até 16 de setembro de 2022, 12h00
Universidade Federal de Jataí - Campus Jatobá - Jataí, GO

Informações

O que acontece com uma planta em um ambiente de estresse? Como manejar a lavoura para atingir boas produtividades em situações cada vez mais agravantes? Essas perguntas são frequentes na agricultura. O curso “Manejo e Fisiologia do Estresse em Plantas” visa esclarecer essas dúvidas trazendo o que se tem de mais atual no assunto, detalhando desde o que acontece no metabolismo da planta até como manejar o solo para amenizar esses efeitos na prática.

Carregando área de inscrição

Palestrantes

Saiba mais

Rita de Cássia Alves

Saiba mais

Alencar Junior Zanon

Saiba mais

Adinan Alves da Silva

Saiba mais

Gustavo Maia Souza

Saiba mais

Marcelo Nogueira do Amaral

Saiba mais

Nicanor Pilarski Henkemeier

Saiba mais

Cleide Nascimento Campos

Saiba mais

Andréa Brondani da Rocha

Saiba mais

Roniel Geraldo Ávila

Saiba mais

Leandro Barcelos

Programação:

Fisiologia do estresse em plantas: o que é e como ocorre? Palestra · Rita de Cássia Alves

Influência do clima na produção agrícola Palestra · Alencar Junior Zanon

Alterações no metabolismo das plantas induzidas por estresse térmico Palestra · Adinan Alves da Silva

Mecanismos fisiológicos de defesa da planta em resposta ao estresse térmico Palestra · Adinan Alves da Silva

Como as plantas interagem com o seu ambiente: aspectos de inteligência e cognição em plantas Palestra · Gustavo Maia Souza

Memória de estresse em plantas: aspectos epigenéticos Palestra · Marcelo Nogueira do Amaral

Ferramentas biológicas para a mitigação de estresse Palestra · Nicanor Pilarski Henkemeier

Efeito do estresse nutricional na produtividade vegetal Palestra · Cleide Nascimento Campos

Regulação de expressão gênica pelo uso de bioestimulantes Palestra · Andréa Brondani da Rocha

Efeitos dos bioestimulantes na mitigação de estresses em plantas de soja Palestra · Andréa Brondani da Rocha

Adaptação morfofisiológicas de milho ao déficit hídrico Palestra · Roniel Geraldo Ávila

Como maximizar a capacidade produtiva de plantas em ambientes com estresse hídrico Palestra · Roniel Geraldo Ávila

Manejo do solo para mitigar o estresse hídrico na prática Palestra · Leandro Barcelos

Almoço de confraternização Almoço

Credenciamento

...

Universidade Federal de Jataí - Campus Jatobá

BR 364 km 195 - Setor Parque Industrial nº 3800

Setor Industrial , Jataí - GO

75801-615

Universidade Federal de Jataí - Campus Jatobá

BR 364 km 195 - Setor Parque Industrial nº 3800

Setor Industrial , Jataí - GO

75801-615

XVIII Semana Agronômica

...

Rita de Cássia Alves

Instituto Nacional do Semiárido - INSA


Formada em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA) (2014), Mestre em Produção Vegetal pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) 2016). Doutora em Produção Vegetal pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) (2019). Atuando na área de Fisiologia Vegetal e Manejo de Culturas, com ênfase em estudos sobre estresses bióticos e abióticos, realizando principalmente análises antioxidantes de defesa. Atualmente Pesquisadora CNPq/PCI do Núcleo de Produção Vegetal do Instituto Nacional do Semiárido (INSA), responsável pelo Laboratório de Fisiologia e Bioquímica de Plantas, tendo ênfase em estudos fisiológicos, bioquímicos e anatômicos das plantas.

Alencar Junior Zanon

Universidade Federal de Santa Maria


possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e Universidad Nacional de Córdoba, Argentina (2009). Doutorado em Agronomia pela UFSM e University of Nebraska - Lincoln, Estados Unidos (2015). Foi extensionista rural de nível superior na EMATER/RS-ASCAR de 2011 a 2013. Foi agraciado com o prêmio "O FUTURO DA TERRA - 2016", na categoria Cadeias de Produção pela FAPERGS/Jornal do Comércio. Atualmente é Professor Adjunto no Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal de Santa Maria. Foi Coordenador do Programa de Pós-graduação em Engenharia Agrícola (PPGEA) na UFSM (2019). Foi professor Visitante na Universidad Nacional de Entre Ríos, Argentina em 2019 e na University of Nebraska Lincoln, Estados Unidos, em 2022. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola e Agronomia, com ênfase em Potencial e lacunas de produtividade de culturas agrícolas e intensificação de sistemas de produção. Desde 2017 é colaborador do Projeto Global Yield Gap and Water Productivity Atlas (GYGA; www.yieldgap.org). Desde 2020 é Consultor da Alliance of Bioversity International and the International Center for Tropical Agriculture (CIAT). Desde 2020 é pesquisador do CNPq. Desde 2022 é Consultor da United Nations Industrial Development Organization (UNIDO). É orientador em nível de Mestrado e Doutorado no PPGEA e no Programa de Pós-graduação em Agronomia (PPGAgro) da UFSM. Tem proferido palestras em instituições de pesquisa e de extensão na China, Estados Unidos, África do Sul, Equador, Nicarágua, Colômbia, Panamá, Paraguai, Uruguai, Argentina e Brasil. Coordenador das Equipes FieldCrops e Simanihot que realizam pesquisa e extensão a partir de demandas de produtores rurais, com base em Agricultura de Processos, visando o máximo lucro do produtor com o mínimo impacto ambiental.

Adinan Alves da Silva

Instituto Federal de Goiás


Biólogo pelo Instituto Federal Goiano - Campus Rio Verde. Mestre e Doutor em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa - UFV. Possui experiência nas áreas de Fisiologia e Bioquímica de Plantas em Resposta a Estresses Abióticos, bem como Ecofisiologia de Plantas Cultivadas. Atualmente é pós-doutorando no Laboratório de Ecofisiologia e Produtividade Vegetal do Instituto Federal Goiano-Campus Rio Verde, onde atua em projetos de pesquisa que abordam os mecanismos de sinalização e resistência aos estresses combinados por déficit hídrico e calor, em diferentes espécies de plantas cultivadas.

 

Gustavo Maia Souza

Universidade Federal de Pelotas


Biólogo formado pela Universidade Estadual Paulista - UNESP Campus de Rio Claro - (1995), possui mestrado em Ciências Florestais pela USP/ESALQ (1998) e doutorado em Biologia Vegetal pela UNESP de Rio Claro (2001). Realizou Pós-doutorado em Fisiologia do Estresse em Plantas na USP/ESALQ (2001-2003). Atuou como professor-doutor da Universidade do Oeste Paulista (2001-2015), onde foi coordenador do Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional (2011-2015). Atualmente é Professor Titular-Livre da Universidade Federal de Pelotas, exercendo a função de coordenador do PPG em Fisiologia Vegetal de 2018-2020. Membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Fisiologia Vegetal desde 2015 (Presidente do XVIII Congresso Brasileiro de Fisiologia Vegetal). Foi integrante do Grupo Auto-organização do CLE/UNICAMP (1997-2017), onde desenvolveu pesquisa sobre auto-organização e cognição em plantas. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Fisiologia Vegetal, atuando principalmente nos seguintes temas: eletrofisiologia vegetal, ecofisiologia e fisiologia do estresse em plantas, cognição em plantas e biologia teórica.

Marcelo Nogueira do Amaral

Universidade Federal de Pelotas


Possui graduação em Ciências Biológicas-Bacharelado pela Universidade Federal de Pelotas (2012), mestrado em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Pelotas (2015) e doutorado em Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Pelotas (2019), com período Sanduíche no Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB, Universidade Nova de Lisboa). Atualmente é Pós-doutorando na Universidade Federal de Pelotas. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Fisiologia Vegetal e Biologia Molecular, atuando principalmente nos seguintes temas: Arroz, estresse abiótico, biologia molecular e epigenética.

Nicanor Pilarski Henkemeier

Agripon


Engenheiro Agrônomo - Faculdade Assis Gurgacz (2009-2012) - Especialista em em Proteção de Plantas - Faculdade Assis Gurgacz (2012-2013) - Mestre em Agronomia - Produção Vegetal com área de concentração de Fitossanidade e Controle alternativo UNIOESTE - (2013-2014) - Doutorando em Agronomia - Produção Vegetal com área de concentração de Fitossanidade e Controle alternativo UNIOESTE (2015-2018). - Coordenador de Pesquisa, Desenvolvimento e Produção de Microrganismos - Excellence Industria e Comercio de Produtos Biológicos LTDA. -Coordenador de Pesquisa e Desenvolvimento Nutrição de Plantas - Import. Agro. Industria Importação e Exportação de Produtos Agropecuários LTDA.

Cleide Nascimento Campos

Embrapa Milho Sorgo


Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Mestre em Agronomia/Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Doutora em Biologia Vegetal pela UNICAMP. Possui experiência em Fisiologia Vegetal e fisiologia relacionada à estresses abióticos, em espécies nativas e de interesse agrícola, e em fertilidade do solo e nutrição de plantas.

 

Andréa Brondani da Rocha

Plantarum


Engenheira Agrônoma, Diretora Técnica da empresa Plantarum Consultoria, Desenvolvimento e Tecnologias Ltda. Com graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é Doutora em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Pós-doutorado na Michigan State University, USA, na área de Bioquímica e Fisiologia . Possui Mestrado em Fitotecnia, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Especialização em Direito Ambiental Internacional, pela Escola de Filosofia do Direito (UFRGS). Experiente no uso de novas tecnologias em Fisiologia Vegetal, em especial na área de Enzimologia e utilização de marcadores moleculares na condução de estudos qualitativos de produtos vegetais, bem como desenvolvimento de bioestimulantes e indutores de resistência à patógenos. Atualmente desenvolve projetos de rastreabilidade e certificação de produtos vegetais frescos (Horticultura).

Roniel Geraldo Ávila

Embrapa Milho Sorgo


Possui graduação em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais (2013). Mestre e Doutor em Agronomia/Fisiologia Vegetal pela Universidade Federal de Lavras (UFLA), sendo a pesquisa de dissertação realizada na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em Milho e Sorgo. Possui experiência em fisiologia da produção, nutrição de plantas e estresses abióticos.

Leandro Barcelos

Raiz da Solução


Possui graduação em Agronomia pela Universidade de Santa Maria, especialização em Fertilidade do solo e nutrição mineral de plantas pela Universidade Federal de Lavras. Também ao longo da carreira soma com duas pós graduações em fertilidade do solo e nutrição mineral de plantas, a primeira pela Universidade Federal do Paraná e a segunda na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Atualmente trabalha como gerente de fazenda, consultor e CEO da Raiz da Solução.